Editorial

Pela saúde financeira

publicado em 29 de maio de 2020 - Por BJD

Depois de mais de dois meses de clausura, os estabelecimentos comerciais não essenciais retomarão as atividades. O remédio para amenizar os impactos do Coronavírus na saúde da população foi amargo para empresários, comerciantes e lojistas desse setor, os mais afetados pela quarentena.

Entretanto, a medida era necessária para todos aqueles que necessitassem de atendimento, principalmente público, não ficassem desassistidos. Contudo, a quarentena não acabou. Ainda são necessárias medidas de isolamento social e de higiene, mas com uma retomada consciente, agora para melhorar a saúde financeira.

A partir de segunda-feira, 1º de junho, após exatos 72 dias da edição do primeiro decreto que resultou no fechamento dos estabelecimentos não essenciais, seguindo inclusive determinações do Ministério Público, a Prefeitura de Bragança Paulista fará a abertura gradual do comércio. Mas o prefeito Jesus Chedid, em recente entrevista ao Bragança-Jornal, foi enérgico ao dizer que se não houver colaboração, terá que fechar.

A mensagem é cristalina a todos os cidadãos, sejam clientes ou empresários. Todos devem seguir as regras e medidas de saúde impostas pela Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e Secretaria de Saúde para que não seja preciso retroceder e sim avançar. Não há relaxamento aos cuidados da saúde, como higienização das mãos, uso de máscara, distanciamento social, etc. As entidades sindicais, tanto ligadas aos comerciantes quanto aos comerciários, estão atentas e solicitam a colaboração de seus federados nesse reinício.

Em consonância ao Plano de Retomada Econômica do Município, há também o Plano São Paulo, que ficará, segundo o governador João Doria, a cargo dos prefeitos a gestão de protocolos de acordo com as fases.

A conscientização da população e dos empresários será fundamental nessa etapa para que não haja retrocessos. Tanto o prefeito, quanto o governador são enfáticos ao dizer que não hesitarão em dar passos para trás, caso seja necessário. Por isso, é fundamental que todos colaborem.

Que cada comerciante abra o seu estabelecimento no dia correto e não queira driblar a fiscalização, que será rígida; que atenda seus clientes de acordo com o que determina o decreto municipal do Plano de Retomada; que a população denuncie aqueles que infringirem as regras, para que não haja concorrência desleal.

Este momento delicado depende somente do nível de consciência de cada cidadão. A quarentena ainda não chegou ao fim. A pandemia não acabou. Idosos e pessoas com comorbidades devem permanecer em casa, pois compõem os grupos de risco.

O Poder Público tem feito a parte que lhe cabe. Comprou Equipamentos de Proteção (EPI); fez a desinfecção de ruas, praças e locais de maiores movimentos; instalou uma cabine de higienização na UPA Bom Jesus, que atende somente casos de doenças respiratórias; adquiriu de leitos de UTI e enfermaria; montou hospital de campanha; aumentou o número de pessoas testadas, fato que poucos municípios fizeram; etc.

Agora chegou a vez da população fazer a sua parte com seriedade e consciência, para que a saúde dos bragantinos seja preservada, assim como a saúde financeira seja restabelecida.