Cotidiano

Abril Laranja reforça prevenção contra a crueldade animal

publicado em 17 de abril de 2021 - Por BJD
Gato ‘Cleiton’ recebeu cuidados e atualmente faz parte de um lar responsável (Caroline Suppioni)

Em 2006 o mês de abril foi escolhido pela “Sociedade Americana Para a Prevenção da Crueldade Contra Animais” para realizar campanha contra os maus tratos contra os animais.

Desde então a conscientização aumentou e existem canais de denúncias para ajudar a proteger animais silvestres e domésticos.

Segundo o artigo 32, da Lei Federal nº 9.605/98, qualquer ato de abuso, maus tratos, ferimentos ou mutilações contra animais domésticos, silvestres ou exóticos, pode ser penalizado entre três meses a um ano de detenção e multa. Nesta cidade, a Lei Municipal nº 4311, de maio de 2012, Estatuto de Proteção e Controle dos Animais, dispõe penas para o abando de animais na rua e suas utilizações em rituais religiosos ou em lutas.

O vira-lata ‘Caramelo’ foi resgatado, adotado e hoje vive feliz

Em Bragança Paulista uma das principais atividades da Divisão de Bem Estar Animal (DIBEM) é a fiscalização às denúncias de maus tratos aos animais, dentre as mais comuns são: cães acorrentados, animais mal alimentados, baixo peso corporal, desidratação e abrigos inadequados. São recebidas em média 30 denúncias por mês.

Após o resgate, muitos desses animais não têm para onde ir ou um local adequado para se recuperar. Por conta disso, através de uma gestão compartilhada entre a Secretaria do Meio Ambiente e a Associação Faros d’Ajuda, os animais são encaminhados ao Abrigo Municipal de Cães e Gatos, que também funciona 24h para o monitoramento e acompanhamento dos animais abrigados no local, assim como o atendimento emergencial de resgate pelo Samuvet.

O Samuvet atende chamados para os resgates de animais doentes, feridos ou machucados nas ruas, ou seja, animais sem dono. A equipe oferece também apoio aos resgates de animais silvestres, que são estabilizados e encaminhados à Associação Mata Ciliar para reabilitação e posterior soltura.

Atualmente o abrigo municipal conta com 609 animais, entre cães e gatos. A Prefeitura investe R$ 837.999,96 anualmente para manter os animais. Em 2019 foram adotados 614 animais; em 2020 foram 620; e em 2021, no período de janeiro a março, 111 animais.

Há ainda o reforço de protetores independentes que resgatam animais das ruas ou de situações de maus tratos e os abrigam em lar temporário até que ocorra a adoção responsável. A advogada Caroline de Almeida Suppioni, 24 anos, e a bacharel em direito Giovana Lopes Cardoso de Lima, 24 anos, são as idealizadoras do projeto ‘Cão Aconchego’, existente há três anos.

Elas contaram ao BJ que já fizeram denúncias de maus tratos de cachorros e até de um cavalo para a Prefeitura. “As denuncias foram feitas através do próprio site da Prefeitura, e tivemos um retorno bom, pois um funcionário da Secretaria do Meio Ambiente vai até o local verificar e dar prosseguimento”, relatou Giovana.

Apesar desse respaldo para denúncias, o trabalho do protetor independente depende de uma rede de apoio, que vem minguando após um ano de pandemia. “Há pouco auxílio nessa causa, geralmente o que se arrecada em dinheiro é mediante doações, rifas e bazares, que nós tivemos que suspender para não gerar aglomerações.

O número de doações e apadrinhamento também caiu muito por conta da instabilidade econômica do país. Além disso, há muitos animais que necessitam de ajuda, e muitos tutores de baixa renda que necessitam de apoio com medicações, exames e cirurgias”, disse Caroline.

Giovana disse que há 12 animais sob cuidados da ‘Cão Aconchego’, todos vítimas de abandono e maus tratos. “Por serem animais adultos, poucas pessoas se interessam, mas os pedidos de ajuda não param, diariamente recebemos esses pedidos através da nossa página no Facebook e do Instagram do projeto”.

Elas ainda revelaram que se engajar nessa causa é um “eterno enxugar gelo”, pois toda semana surge um caso de animal vítima de maus tratos. Isso acontece devido à falta de conscientização sobre castração e responsabilidade para com a vida do animal.

O município conta com o Castramóvel, que desde sua implantação foi bem aceito pela população. A esterilização  animal não serve apenas para controle de natalidade. Com a castração, animais como os felinos ficam mais caseiros, dessa maneira a chance de serem atropelados, envenenados ou passarem por maus tratos na rua diminui significativamente. Além disso, é realizada a microchipagem, que é a identificação do animal, ou seja, um cadastro no banco de dados.

Para conhecer mais sobre o projeto Cão Aconchego, Instagram: @caoaconchego e no Facebook: Cão Aconchego. As doações também podem ser feitas através do Pix: caoaconchego@gmail.com.

Para denunciar maus-tratos contra animais, basta acessar o aplicativo eOuve (Google Play ou Apple Store). Mais informações na Ouvidoria Geral do Município pelo telefone (11) 4034-7149.

Conversas no Facebook