Colunistas

“Pedro e o Lobo” Sergey Prokofiev (1891-1953)

publicado em 5 de março de 2020 - Por Odila Baisi

Esta peça ímpar e encantadora foi encomendada pelo Teatro Central das Crianças, e o título original que Prokofiev   lhe deu foi “Como Pedro Levou a Melhor sobre o Lobo”.

Pretendia ele que a história fosse um meio de induzir as crianças a ouvirem a música e repararem nos vários instrumentos utilizados. Por isso é que cada personagem da história tem um tema, que é sempre executado   no mesmo instrumento ou grupo de instrumentos.

O pássaro é uma flauta – trinando e chilreando exatamente como o faria um pássaro assustado. O bamboleio pesado do pato é retratado pelo oboé; o gato, pela clarineta. O avô tem um esplêndido tema  masculino no fagote.

A assinatura do lobo, com três clarins, diz-nos instantaneamente que há  alguma ameaça assustadora no ar. A célebre melodia de Pedro – despreocupada, lírica e absolutamente encantadora – é executada por um quarteto de cordas. Quando foi escrita, a obra “Pedro e o Lobo”  deu ao mundo musical algo de muito novo em que pensar.

É que longe de ser um simples “conto infantil musicado”, ela foi considerada o começo de uma nova forma sinfônica, e os adultos apreciaram tanto quanto as plateias juvenis.