Colunistas

Enfermagem, vocação, cuidado e técnica

publicado em 14 de maio de 2021 - Por Antônio Carlos de Almeida

O Dia Internacional da Enfermagem é celebrado em 12 de maio. Justa homenagem a esses e a essas profissionais que se dedicam inteiramente ao cuidado de pessoas quando mais elas necessitam.

Oportuna homenagem no atual contexto de pandemia, em que estão trabalhando com dedicação e riscos ainda mais intensos. Segundo dados da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde, em todo o mundo já morreram quase 3 mil enfermeiras e enfermeiros em consequência da covid. No Brasil, quase 25 % desse montante, cerca de 700 auxiliares, técnicos e enfermeiros.

A escolha de 12 de maio está relacionada ao nascimento de Florence Nightingale, na Itália, em 1820. Ela é reconhecida como fundadora da enfermagem moderna. Na condição de filha de pais ingleses abastados, Florence teve uma educação aristocrática, aprendeu diversos idiomas, como o grego, latim, francês, alemão e italiano. Estudou ainda história, filosofia, matemática e estatística. Muito religiosa, interessou-se por ajudar os pobres, doentes e desvalidos, aliviando-lhes o sofrimento e restituindo a saúde. Recebeu forte influência da Sociedade de São Vicente de Paulo, que mundialmente se dedica ao cuidado de pobres, enfermos e idosos.

No exército britânico, durante a guerra da Crimeia, 1853-1856, nos Balcãs e sul da Rússia, passou a ser conhecida como “dama da lâmpada”. Esse exército estava prestes a ser derrotado, em grande parte devido às doenças, à desorganização, ao frio e à fome. Muitos soldados foram contaminados pela cólera, e as primeiras batalhas foram feitas por homens exauridos por diversas doenças. Associando técnica e cuidado, tratava soldados feridos e adoentados, inclusive durante a noite sob a luz trêmula de uma lanterna.

A essa dedicação integral associava conhecimento técnico, utilizando-se de estatística para averiguar retrocessos e avanços e, com o mesmo objetivo, de vários tipos de registros. Só parou de trabalhar quando ficou completamente cega aos 81 anos de idade. Florence Nightingale é certamente um bom modelo a ser seguido por todos que se dedicam ao cuidado da saúde em clínicas, postos de saúde e hospitais.

Há uma diferença importante entre profissão e vocação. Ambas prestam serviços, contribuem para o bem-estar da sociedade. Profissão tem o foco naquilo que se faz, a ação é avaliada pelo resultado que apresenta. A vocação, por sua vez, tem o foco no motivo pelo qual se faz, a ação é revestida por importante dose de dedicação e doação.

Predominam no ambiente de cuidado da saúde pessoas vocacionadas, envolvidas pela missão de acolher, cuidar, orientar, amenizar sofrimento e curar. Assim é a maioria de auxiliares, técnicos, enfermeiros e outros profissionais que atuam nessa área.

Essa doação requer conhecimentos, técnicas e habilidades. São elementos que se adquire ao longo da formação e do exercício profissional. Nestes longos meses de pandemia, às pressas, não podendo deixar para depois, auxiliares, técnicos e enfermeiros precisaram estudar complicações e características inerentes à covid e, sem perda de tempo, colocar tudo isso em prática. Fazer o mesmo de antes já não era suficiente. Os desafios trouxeram consigo novas técnicas e novos protocolos.

Riscos, principalmente, de contágio, sempre estiveram presentes no exercício do cuidado de enfermos. Desta feita, isso foi elevado a um nível inimaginável. Auxiliares, técnicos e enfermeiros precisaram redobrar cuidados, afastar-se de pessoas queridas para não contagiá-las, demonstrar coragem quando esses mesmos profissionais estavam tomados de pavor. Em função do necessário isolamento dos pacientes, para além dos requisitos do seu trabalho típico, os profissionais da enfermagem foram pais e mães, companheiros e companheiras e mensageiros da esperança para internados, com frequência e tomados de grande emoção, colheram o último suspiro daqueles que foram vencidos pelo vírus.

Auxiliares, técnicos e enfermeiros, a vocês nossa gratidão por toda técnica e todo cuidado dispensando aos seus pacientes. Estamos certos de que hoje a maioria de vocês é uma nova “Florence Nightingale” na vida de muita gente. Ela contribuiu decisivamente para que o exército inglês vencesse aquela guerra. Com a ação insubstituível de vocês venceremos a inesperada e cruel batalha contra a covid.