Colunistas

Compositores que se destacaram na Alemanha após a II Guerra Mundial

publicado em 27 de agosto de 2020 - Por Odila Baisi

A vida musical na Alemanha se tornou um esplendor após a Segunda Guerra. Mais de uma centena de teatros de ópera e uma grande quantidade de orquestras sinfônicas indicam o fato. Os compositores que mais se destacaram são, depois de Hindemith, Car Orff (1895) e Werner Egk (1901).

Hindemith pertenceu aos “revolucionários” do primeiro pós-guerra; afirmou logo seu estilo e criou obras imperecíveis (“Mathis, o Pintor”).

Orff aprecia o primitivismo harmônico e de ritmos fortes, de evocações medievais e de um refinado uso de timbres orquestrais; a sua “Carmina Burana” e algumas de suas óperas têm enorme êxito.

Egk obteve triunfos com suas óperas “Peer Gynt”, “O Revisor”, etc.

Constam deste vasto panorama, os compositores Walter Braunfels, autor das óperas “As Aves” e “Dom Gil das Calças Verdes”; Paul Graener, das óperas “A Última Aventura de Don Juan” e “A Ascensão de Hannele”; e outros, como, Heinrich Kaminski, Armin Knab, Philip Jarnach, Hermann Reutter, Heinrich Tiessen, Kurt Wolfurt, Rudolf Wagner-Regeny, W. Brandit,Johann Nepomuk, David Robert Heger, Ottmar Gerster, e Boris Blacher.