Colunistas

“Árias Ciganas” – Pablo Sarasate (Pamplona 1844 – Biarritz 1908)

publicado em 8 de outubro de 2020 - Por Odila Baisi

O violinista e compositor espanhol Pablo de Sarasate deve ter sido um artista esplêndido; não só as plateias de toda parte o aplaudiram, como também os compositores da categoria de Saint-Saëns, Max Bruch, Henri Wienjawiski e Edoard Lalo, que lhe dedicaram obras.

Sarasate também compôs, quase sempre peças de exibição para violino. Dentre estas, “Zigeunerweisen” (Árias Ciganas) destaca-se por sua combinação da alma cigana com  as proezas pirotécnicas de um instrumentista que parecia mágico.

Entre suas obras chave, se encontram: “Caprice Basque”, op.24 para violino e piano; “Fantasia Carmem”, op. 25 para violino e orquestra (1883); e a já citada “Zigeunerweisen” (Melodias Ciganas) (1878).

Prêmios: Grã-Cruz da Ordem de Isabel, ‘A Católica’; Grã-Cruz da Ordem Civil de Afonso XII.