Saúde

‘Saúde não é mercadoria’, diz presidente do STF

publicado em 17 de julho de 2018 - Por BJD
Carlos Moura/SCO/STF

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a resolução da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) que prevê que operadoras de planos de saúde poderão cobrar de clientes até 40% do valor de cada procedimento realizado.

“Saúde não é mercadoria, vida não é negócio, dignidade não é lucro. Direitos conquistados não podem ser retrocedidos sequer instabilizados”, escreveu a ministra Carmem Lúcia na decisão.

 

Mais informações na edição do BJD de quarta-feira, 18