Saúde

Ministério da Saúde distribui 1,7 milhão de doses da vacina pentavalente

publicado em 10 de janeiro de 2020 - Por BJD

O Ministério da Saúde começou a distribuir desde quinta-feira, 9 de janeiro, um total de 1,7 milhão de doses da vacina pentavalente para os estados da federação.

Entre junho e dezembro, a oferta da vacina esteve irregular devido problemas com o fornecedor. Nesta semana, a Secretaria Municipal de Saúde de Bragança Paulista publicou um comunicado informando à população sobre a falta das vacinas pentavalente e DTP.

Segundo o chefe da Divisão Epidemiológica e Controle de Doenças, Rodrigo Bueno, após a distribuição pelo Ministério, a Secretaria Estadual estabelece um cronograma para que as doses cheguem aos municípios. A expectativa é de que a vacina pentavalente, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria Haemophilus influenzae tipo b (responsável por infecções no nariz e garganta), chegue ao município na próxima semana. Já a vacina DTP (Tríplice bacteriana), que protege contra difteria, tétano e coqueluche, continua em falta.

JUSTIFICATIVA DO MINISTÉRIO

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil compra a vacina via Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), pois não existe laboratório produtor no país. Em julho de 2019, lotes do laboratório pré-qualificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) foram reprovados no teste de qualidade do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Em agosto, o Ministério da Saúde solicitou reposição do produto, mas, naquele momento, não havia disponibilidade imediata no mundo.

O esquema vacinal prevê três doses da vacina pentavalente aos 2, 4 e 6 meses de vida. A pasta orienta que os municípios devem regularizar a caderneta de vacinação das crianças assim que os estoques estiverem regularizados.
Já a DTP, o esquema de vacinação atual é feito aos 2, 4 e 6 meses de idade com a vacina Tetravalente e dois reforços com a Tríplice Bacteriana (DTP), o primeiro aos 15 meses e o segundo entre 4 e 6 anos.