Polícia

Roubo a loja de shopping é esclarecido pela DIG

publicado em 12 de maio de 2018 - Por BJD
Davi Joel

Policiais civis da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) esclareceram o roubo a uma das filiais das Lojas Americanas, no Bragança Garden Shopping, ocorrido em 12 de abril último. Um dos envolvidos foi encontrado e confessou o crime.

O delegado José Glauco Lobo Ferreira pediu à Justiça um mandado de prisão contra ele. Os dois carros utilizados no assalto foram apreendidos, mas os itens roubados não foram encontrados.

De acordo com informações do boletim de ocorrência, na tarde do dia 12 de abril quatro indivíduos desconhecidos entraram no estabelecimento se passando por clientes e anunciaram assalto. Dois deles estavam armados com revólveres e todos portavam bolsas de viagem.

Um dos envolvidos foi encontrado e os investigadores solicitaram mandado de prisão

Sob ameaça das armas, os funcionários foram obrigados a colocar nas bolsas os celulares e tablets, e em seguida os ladrões saíram da loja.

A segurança do shopping foi acionada, mas os ladrões não foram localizados, mesmo o shopping tendo apenas uma saída. Eles fugiram em um veículo Ford/Ka, preto, de acordo com informações de funcionários dos shopping à polícia.

O caso foi registrado no Plantão Central da Polícia Civil. O boletim de ocorrência aponta que foram roubados 96 tablets e 59 celulares.

Durante as investigações, a DIG, através de imagens de câmeras do Complexo Integrado de Segurança, Emergência e Mobilidade (CISEM), descobriu que, além do Ford/Ka, placas de Belo Horizonte/MG, havia outro veículo envolvido, um Renault/Logan branco, placas de São Paulo/SP, visto na escolta do Ka. Entretanto, apenas o Logan foi visto saindo da cidade.

Foram apreendidos dois veículos envolvidos no crime

Em pesquisa aos dados dos veículos, os policiais descobriram que o Ford/Ka havia sido alugado em uma locadora de veículos na Zona Leste de São Paulo, com documentos falsos, e que o Logan pertencia, de acordo com a documentação, a um homem residente também na Zona Leste.

Os investigadores solicitaram à Justiça um mandado de busca, cumprido na última terça-feira, 8, na casa do proprietário do Logan, um idoso que alegou que o veículo, apesar de estar em seu nome, pertencia a seu genro, Felipe Roberto dos Santos Gomes, 29 anos.

O homem acompanhou os policiais até a casa do genro, no distrito de Guaianases, onde foi localizado o carro. Trazido à DIG, Felipe confessou a participação do crime.

Ele alegou aos policiais que trabalha como motorista da empresa Uber (prestadora de serviços na área do transporte privado urbano) e foi contratado por R$ 2 mil pelos bandidos para fazer o “serviço”. O acusado disse ainda que teve a incumbência de seguir o Ka ocupado pelos assaltantes até o shopping e depois do roubo até o local onde foi abandonado, na Rua da Abolição, no Centro. Em seguida, retornaram para a capital paulista.

Tanto o Logan quanto Ka foram apreendidos. As investigações continuam para descobrir quem são os demais integrantes da quadrilha, já que Felipe disse não saber quem eram os comparsas. Em relação aos produtos, ele afirmou também não ter informações sobre o destino.

Como não houve flagrante e Felipe foi encontrado durante um mandado de busca, ele não pôde ser preso, mesmo diante de todas as evidências e da confissão, caso contrário haveria, segundo a legislação, abuso de autoridade dos policiais, que remeteram à Justiça um mandado de prisão para que então possam detê-lo.