Editorial

Editorial: Reconhecimento

publicado em 10 de janeiro de 2020 - Por BJD

Quando poucos acreditavam na revisão do Plano Diretor do Município, que deveria ter sido feita em 2012 de acordo com a antiga lei, o prefeito Jesus Chedid, que retornou ao Palácio Santo Agostinho em 2017, anunciou o começo dos estudos.

cidade conviveu durante anos com o caos da desorganização política, que resultou em um crescimento desordenado e muito ‘oba-oba’.

Esta semana pode ser considerada uma das mais importantes do atual mandato, não desmerecendo outros assuntos e setores tão relevantes ao município. Após ser aprovado pela Câmara Municipal, o novo Plano Diretor foi sancionado nesta quinta-feira, 9, pelo prefeito Jesus Chedid, na presença de secretários municipais, vereadores e profissionais da Universidade São Francisco (USF) que se empenharam nos estudos, e demais envolvidos em todo o andamento da revisão.

Diversas equipes se debruçaram nos estudos do Plano Diretor, para que ele fosse concluído. Não se pode deixar de destacar o pulso firme do prefeito, que muito profissionalmente comandou os estudos. Não fosse sua coragem em assinar um decreto determinando a suspensão da aprovação final de loteamentos e condomínios de natureza residencial até a conclusão da revisão, o caminho com certeza não teria tanto sucesso.

Sabe-se que nesse meio empreendedor existem chantagens e rupturas de parcerias e apoio, mas nem isso fez o prefeito Jesus Chedid esmorecer e abandonar o barco, como alguns fizeram em outras gestões. Até mesmo os empresários da cidade reconheceram a necessidade desse decreto editado pela Administração, concordando que algo desse nível deveria ser feito para organizar o desenvolvimento de Bragança Paulista.

Além do corpo do Executivo, os profissionais da Universidade São Francisco também foram fundamentais para a revisão. O Ministério Público também se tornou um grande aliado, mesmo após ter exigido a suspensão dos estudos por determinado tempo.

Durante solenidade de assinatura da lei, todos que discursaram agradeceram os envolvidos. No entanto, entendemos que Poder Público não se trata de agradecer, mas sim RECONHECER.

O Bragança-Jornal pode falar com certa propriedade sobre o Plano Diretor, pois sua equipe acompanhou desde o início, em agosto de 2017, todo desenrolar da revisão, desde as primeiras reuniões, as decisões da Justiça local e do Tribunal de Justiça sobre a ação movida pelo Ministério Público, as audiências públicas, as conferências temáticas, etc.

Foram feitos diversos contatos com o prefeito, secretários municipais, professores da USF, vereadores e a promotoria pública. Foram dezenas de matérias e editoriais, além de colunistas que opinaram sobre o assunto.
Este foi apenas um passo para o ordenamento da cidade. Ainda faltam outros dispositivos as serem regulamentados, e o Código de Urbanismo que também precisa ser revisado, o que deve ocorrer em breve.

O Bragança-Jornal continuará prestando seu serviço em informar à sociedade o desenrolar das próximas ações e pelos próximos 8 anos, que é a vigência do novo Plano Diretor, fiscalizar as propostas nela mencionadas.
Assim seguiremos!