Editorial

Editorial: O reconhecimento das urnas

publicado em 20 de novembro de 2020 - Por BJD

“Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos”. Este é o parágrafo único do artigo 1º da Constituição Federal de 1988. É por isso, que a cada dois anos, nós, brasileiros, vamos às urnas eleger os nossos representantes.

O voto é soberano. Rodrigo Moreira da Silva, Bacharel em Direito, servidor do Tribunal Superior Eleitoral lotado na Escola Judiciária Eleitoral, diz: “O resultado das eleições é uma das principais manifestações da soberania popular. É um evento único na democracia, em que o poder do povo transparece no resultado de uma disputa eleitoral para a escolha dos próximos governantes.

É essa soberania que os legitima a tomarem a frente do povo, representando-o”. A vitória de Jesus Chedid com 53.730 votos no último domingo, 15, o que representou 65,89% dos votos válidos, é o reconhecimento ao trabalho realizado na cidade nos últimos quatro anos.

A reconstrução da cidade passou por centenas de obras, desde recapeamento de ruas, zeladoria, recuperação de próprios públicos escolares, de saúde, do resgate da cultura, como os museus e o antigo Colégio São Luiz, à recuperação financeira e projetos importantes para o desenvolvimento da cidade, como a revisão do Plano Diretor e a renovação de contrato com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Difícil elencar qual a obra ou ação mais importante. Mas, contra fatos não há argumentos, e Jesus Chedid, com a força do seu grupo político, fez as coisas saírem do papel e acontecerem.

O resultado da eleição também é reflexo de um grupo político forte, que tem como maior cabo eleitoral o deputado Edmir Chedid, que sempre cumpriu o seu papel parlamentar, mesmo quando adversários políticos que estavam à frente do Executivo Municipal local se recusavam a utilizar os recursos por ele conseguidos.

O trabalho de Edmir Chedid na gestão de Jesus Chedid foi fundamental para a reconstrução da cidade, com a recuperação de convênios perdidos. Além disso, a parceria com deputados federais foi fundamental para novas verbas.

Aliás, o grupo Chedid é reconhecido pela sua força, que vem de anos. Não foi criado às pressas para disputar uma eleição e mesmo quando perde um pleito não se dissolve facilmente. Ele é sólido. E é por essa razão que está há tantos anos na política.

O próprio prefeito Jesus Chedid sabe da necessidade de continuar a reconstrução de Bragança e trabalhar ainda mais para gerar empregos e renda à comunidade. Essa é uma das prioridades assumidas em seu plano de governo.

A população sabe que ainda há muito a fazer pela cidade, mas reconhece o grande avanço dos últimos anos, tanto é que repetiu a votação expressiva do último pleito municipal e concedeu a Jesus Chedid a oportunidade de trilhar o seu quinto mandato à frente do Executivo Municipal.

Conversas no Facebook