Editorial

Editorial: Dificuldades superadas

publicado em 20 de julho de 2020 - Por BJD

O povo brasileiro é resiliente, tem a capacidade de superar os problemas e se recuperar das adversidades. Tem sido assim ao longo das últimas três décadas e meia, com dois processos de impeachment contra presidentes, hiperinflação, mensalão, petrolão, lava-jato e agora uma pandemia com consequências devastadoras sobre a vida humana e também na economia.

Os mais novos não vivenciaram o “Plano Cruzado”, lançado em 1986, no governo do ex-presidente José Sarney, que congelou preços e salários e substituiu a moeda corrente, o cruzeiro, pelo cruzado. Diante das dificuldades de fiscalizar a medida, no primeiro dia do Plano foi convocada uma “cruzada cívica de consumidores em defesa do programa de governo”.

Segundo o próprio José Sarney, a população deveria ajudar na fiscalização: cada brasileiro e brasileira deveria ser um fiscal dos preços, um fiscal do presidente para a execução fiel desse programa em todos os cantos do país. Os “Fiscais do Sarney”, como ficaram conhecidos, chegaram a lacrar estabelecimentos comerciais e supermercados porque eles remarcavam os preços. Foi uma loucura para os comerciantes, as empresas e para o consumidor.

Em 1990 veio o Plano Collor, do então presidente Fernando Collor de Mello, com o confisco da poupança. Para muitos brasileiros, o dinheiro depositado na poupança era a motivação para se viver, o meio para se atingir um sonho ou a esperança de cura para uma doença grave. Muitas pessoas se suicidaram, adoeceram, tiveram depressão, enfartaram, pois tiveram sonhos interrompidos. Muitos comércios e empresas faliram. Foi um processo doloroso para o Brasil.

Anos mais tarde, já com o PT no poder, vieram os escândalos de corrupção, um atrás do outro. Primeiro o ‘mensalão’, o escândalo de compra de votos de parlamentares deflagrado no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2005. Teve também os bilhões enviados para Cuba, Venezuela, Moçambique, entre outros países.

Depois veio o ‘Petrolão’, já no governo da ex-presidente Dilma Rousseff. O escândalo da Petrobras foi um esquema de lavagem de dinheiro (fazer parecer que o dinheiro foi conseguido dentro da lei) que movimentou bilhões de reais dentro da empresa estatal, com pagamento de propina (suborno). A operação Lava Jato foi deflagrada para investigar este grande esquema de lavagem e desvio de dinheiro envolvendo a Petrobras. Esta última história está mais ‘fresca’ na memória dos brasileiros.

E hoje estamos aqui, sobrevivendo a mais uma crise, agora sanitária, que economicamente não é diferente das vivenciadas até hoje no país, mas ela é agravada pela letalidade – mais de 79 mil brasileiros foram a óbito pelo Coronavírus.

O comerciante não sabe se vai estar com o estabelecimento aberto ou fechado na próxima semana; o consumidor tem medo de compras no longo prazo, pois não sabe se estará empregado; empresários não investem devido ao futuro incerto. Mas a esperança não morre.

Esta crise é mais uma oportunidade de vivenciarmos a popular frase “o brasileiro não desiste nunca” e, assim, superarmos mais uma dificuldade.

Conversas no Facebook