Cotidiano

Volume do Sistema Cantareira cai e Sabesp pede uso consciente da água

publicado em 7 de abril de 2021 - Por BJD
Represa Jaguari-Jacareí, que integra os reservatórios do Sistema Cantareira (Arquivo/BJ)

Nesta terça-feira, 6, o Sistema Cantareira registrou o menor volume de armazenamento de água desde a crise hídrica de 2013, com  52,5% de sua capacidade operacional. O atual volume do reservatório está abaixo do registrado no período pré-crise hídrica de 2013, quando o sistema registrava 53,6%.

De acordo com o monitoramento da Agência Nacional de Águas (ANA), o volume útil dos reservatórios vem tendo queda progressiva – Jaguari-Jacareí (56,82%); Atibainha (31,33%); Cachoeira (34,54%); Paiva Castro (35,61%).
A última vez que o Sistema Cantareira entrou em estado de atenção foi em julho de 2018, quando o volume chegou a 39,7%, e operou entre 40% e 60% de sua capacidade total.

Ao BJ, a Sabesp informou que, a apesar de haver queda no volume operacional dos reservatórios do Sistema Cantareira, não há risco de desabastecimento neste momento na Região Metropolitana de São Paulo, mas reforça a necessidade do uso consciente da água em qualquer época do ano. “A projeção da Sabesp aponta que os reservatórios cheguem ao final de abril com níveis satisfatórios para passar pela estiagem (maio a setembro). Porém, mais uma vez, a Companhia reforça a necessidade de uso consciente, em qualquer época do ano”.

Composto por sete mananciais (Cantareira, Alto Tietê, Guarapiranga, Cotia, Rio Grande, Rio Claro e São Lourenço), o sistema é integrado, permitindo transferências para diferentes regiões e dando mais segurança ao abastecimento.
Desde a crise hídrica a Companhia vem fazendo obras para não repetir cenários de escassez, com destaque para a Interligação Jaguari-Atibainha (que traz água da bacia do Rio Paraíba do Sul para o Cantareira) e a entrada em operação do Sistema São Lourenço – juntas, as duas obras agregaram 445 bilhões de litros .

Conversas no Facebook