Cotidiano

Vida Longa: Parlamentar destaca importância do projeto para Bragança Paulista

publicado em 19 de fevereiro de 2020 - Por BJD
Edmir Chedid afirmou que as atividades terão início em até 90 dias

A Prefeitura de Bragança Paulista deve iniciar em 90 dias a construção de 26 unidades habitacionais do Programa Vida Longa, desenvolvido pelo governo estadual.

De acordo com o deputado Edmir Chedid (DEM), responsável pela implantação do programa no município, os imóveis deverão atender às necessidades habitacionais de idosos em situação de vulnerabilidade social.

O parlamentar disse que Bragança Paulista integra a primeira etapa desse programa, que contará com 150 unidades habitacionais em seis municípios. “Todos os convênios entre Estado e municípios foram celebrados em 2019. Desde então, a Prefeitura de Bragança Paulista tem se empenhado em cumprir as determinações para que as obras sejam iniciadas entre abril e maio deste ano”, afirmou.

Edmir Chedid lembrou que os imóveis serão projetados segundo parâmetros de acessibilidade do Desenho Universal, que estabelecem um conceito arquitetônico adaptável para permitir facilidade no uso da moradia por qualquer indivíduo com locomoção limitada, temporária ou permanente. “A ideia é justamente garantir o máximo de conforto aos moradores, conforme solicitação da prefeitura”, disse.

As unidades habitacionais terão 28 m² de área privativa, distribuídos em cozinha, sala de estar e dormitório conjugados, banheiro e área de serviço. Constam no projeto itens de segurança e acessibilidade, como barras de apoio, pias e louças sanitárias em altura adequada, portas e corredores mais largos, interruptores em quantidade e altura ideais, e até alarmes de emergência sonoros e luminosos.

VIDA LONGA

O Programa Vida Longa apresenta um conceito que busca agregar expressivo valor a todo processo de socialização dos moradores. Os residenciais possuirão espaços comuns para convivência e lazer, como salão com refeitório e área para assistir televisão, área com churrasqueira e forno a lenha, aparelhos para atividade física, mesa de jogos, bancos de jardim, horta elevada e projeto paisagístico.

“As unidades serão direcionadas a pessoas com 60 anos de idade ou mais, que preferencialmente sejam sozinhas, expostas a situação de vulnerabilidade em razão de vínculos fragilizados e risco social e sem acesso a moradia. Como requisito, os idosos beneficiários não podem ter renda que ultrapasse dois salários mínimos e devem residir há pelo menos dois anos no município”, finalizou Edmir Chedid.