Cotidiano

Secretaria de Saúde vai ao Ministério Público contra a Unimed local

publicado em 12 de Maio de 2018 - Por BJD
Gerson Gomes/BJD

A secretária municipal de Saúde, Marina Fátima de Oliveira, fez uma representação na tarde de quinta-feira, 10 de maio, junto ao Ministério Púbico, quanto à falta de atendimento aos usuários do plano de saúde Unimed Estâncias Paulistas.

Durante a última sessão da Comissão de Finanças, Orçamento, Obras, Serviços Públicos e Desenvolvimento Urbano da Câmara Municipal, a vereadora Fabiana Alessandri (PSD) questionou a secretária sobre a Unimed. Marina respondeu que estava preocupada com a situação, pois o SUS já estava sentindo reflexo da falta de atendimento por parte da operadora de saúde.

“É uma irresponsabilidade. Pacientes de câncer, por exemplo, não estão fazendo tratamento. O SUS terá que absorver essa demanda”, disse. A secretária chegou a anunciar que iria fazer uma representação no Ministério Público.

Na manhã dessa sexta-feira, 11, Marina confirmou que esteve com a promotora Ana Maria Buoso. “A Promotoria de Justiça enviará documento à ANS [Agência Nacional de Saúde] para saber as providências que a agência está adotando em relação à Unimed”, disse Marina.

COBRANÇAS

A vereadora Fabiana Alessandri recebeu muitas reclamações nas últimas duas semanas sobre o atendimento médico e hospitalar aos conveniados da Unimed Estâncias Paulistas.

“Há anos a operadora vem sendo alvo de críticas na cidade. Porém a crise se agravou nos últimos meses e, desde o fechamento definitivo do hospital que atendia o plano, em janeiro de 2018, os usuários estão sem informações concretas sobre o futuro da operadora. Em abril, a Agência Nacional de Saúde (ANS) proibiu a venda de novos planos e deu prazo de 30 dias para que a operadora negociasse sua carteira de clientes.

De acordo com as informações divulgadas na imprensa, até segunda-feira, 7, a entidade não havia recebido resposta às exigências feitas. Desde a semana passada, clínicas e hospitais não estão mais atendendo os conveniados, que não foram avisados dos cancelamentos, deixando pacientes com doenças graves sem respostas sobre seus tratamentos e exames”, informou a vereadora.

“Também não há mais atendimento físico no município, o que obriga os conveniados a entrarem em contato com a operadora via telefone. O tempo de espera para ser atendido é longo, quando a ligação não ‘cai’ neste intervalo”, pontuou a vereadora.

Fabiana solicitou que a Comissão de Saúde da Câmara convocasse o presidente da Unimed, o médico José Josefran Berto Freire, para que comparecesse na casa para esclarecimentos sobre o problema enfrentando pelos conveniados.
Procurado pela Câmara, Josefran informou que nesta sexta-feira, 11, teria uma reunião com a diretoria da Unimed em São Paulo.

“Estamos cobrando providências urgentes, pois não há mais como a população aguentar tanto descaso e falta de informação. Muitos conveniados precisam de tratamento periódico ou mesmo emergencial. Para onde vão os usuários da Unimed? A angústia dos conveniados é muito grande.

Os planos estão sendo pagos em dia, mas não tem atendimento. A prefeitura não tem como atender se todos migrarem para o SUS”, afirmou a vereadora.

A Comissão de Saúde agendou uma sessão extraordinária na segunda-feira, 14, às 10h00, na Câmara, com o representante da Unimed local, o médico José Jozefran Berto Freire.