Cotidiano

Prefeitura classifica proposta de empresa de Brasília para construção de perimetrais

publicado em 24 de julho de 2020 - Por BJD
Perimetral entre as estradas de Itatiba e Socorro terá início na região da Santa Luzia e utilizará uma estrada de terra já existente (SECOM)

A Prefeitura publicou nesta semana na Imprensa Oficial Eletrônica do Município, o julgamento das propostas da licitação para a construção de duas vias perimetrais em Bragança Paulista.

Segundo o documento, a Prefeitura classificou a proposta da primeira colocada, a Construtora Artec AS, de Brasília-DF, e abriu prazo de cinco dias para contestação. Após essa fase, o processo deve ser homologado.

Das 11 empresas que iniciaram o certame em junho, cinco foram classificadas e tiveram suas propostas comerciais apresentadas no último dia 7 de julho.

O valor estimado para as duas perimetrais foi de R$ 33.229.295,94. A Construtora Artec, de Brasília (DF) ofertou o menor valor para as duas obras, R$ 24.688.964,36; a segunda colocada, Conter Construções e Comércio, de São Paulo, R$ 25.255.094,89; na sequência, Jofege Pavimentação, de Itatiba, R$ 27.988.614,92; Construtora Zadar, do Rio de Janeiro, R$ 28.601.596,96; e J.R. Construtora e Terraplanagem, R$ 28.916.599,79.

Por ser uma das principais rotas para diversas cidades da região, diariamente Bragança Paulista recebe um grande fluxo de veículos, que deve ser aliviado com a implantação das perimetrais.

No início de maio deste ano, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR), autorizou a liberação de R$ 15 milhões à Prefeitura de Bragança Paulista, resultado da reivindicação do deputado Edmir Chedid (DEM) para a construção das duas vias perimetrais.

O repasse do Governo do Estado é de R$ 7,5 milhões para cada obra, com contrapartida da Prefeitura estimada em aproximadamente R$ 10,6 milhões na Estrada Municipal Aurélio Frias Fernandes, que interligará a Rodovia Capitão Barduíno à Rodovia João Hermenegildo de Oliveira (SPA 009/010), a Variante do Guaripocaba; e R$ 7,5 milhões na Via Perimetral que fará a ligação da Rodovia Capitão Barduíno (SP-008) com a Rodovia Alkindar Monteiro Junqueira (SP-063). Com os valores ofertados pela empresa Artec, a contrapartida da Prefeitura será menor.

ALERTA

Na semana passada, o vereador Marcus Valle fez um alerta sobre a empresa vencedora do certame. Segundo ele, a empresa está em recuperação judicial, mas isso não a impede de participar da licitação; ela tem obras paralisadas em Sorocaba, devido ao não pagamento dos funcionários; e estaria sendo investigada pela operação Lava Jato.

O Bragança-Jornal questionou o secretário municipal de Administração, Darwin da Cruz Gonçalves sobre o assunto, e ele informou que a empresa tem obras de grande porte pelo país.

A empresa Artec entrou em contato com o Bragança-Jornal nesta sexta-feira, 24, para comentar a matéria publicada no último sábado, 18. Na nota, a empresa afirma que é “participante de processos licitatórios por todo o País.

Atualmente, executa obras rodoviárias, de infraestrutura urbana e saneamento básico nos Estados de Goiás, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, sempre priorizando a qualidade e o cumprimento de prazos associados ao preço justo em licitações com ampla concorrência, como a de implantação de infraestrutura e pavimentação asfáltica no Município de Bragança Paulista/SP, onde a empresa ofereceu um desconto de 25,70%, resultando em uma economia ao erário de R$ 8.540.331,61”.

Sobre o comentário feito pelo vereador Marcus Valle quanto à possibilidade de estar sendo investigada, a empresa afirmou que “jamais se envolveu em atos de corrupção e sequer está sendo investigada na operação Lava Jato, mas tão somente esteve apta a exercer atividades oriundas de oportunidades do mercado, de forma transparente e com a anuência da Administração e dos órgãos de controle, de acordo com as condições firmadas em contratos públicos, abertos a quaisquer tipos de investigações”.

Também afirma que a empresa “não tem sido condenada em nenhuma instância administrativa ou judicial por uso indevido de recursos públicos, assim como não está envolvida em nenhum escândalo de corrupção que corriqueiramente tem sido estampado pela mídia e nem impedida de licitar com a Administração Pública”. Sobre as obras em Sorocaba, a empresa afirmou que elas “tiveram seu contrato rescindido e não paralisado, e assim outra empresa já está executando os serviços”.

Conversas no Facebook