Cotidiano

Médica coordenadora do HUSF é coautora de obra inédita sobre Foniatria

publicado em 25 de janeiro de 2020 - Por BJD
A otorrinolaringologista Sulene Pirana explica que o objetivo da obra realizar uma abordagem médica a respeito dos distúrbios da comunicação e da aprendizagem (Divulgação/HUSF)

A partir de fevereiro de 2020, os profissionais da saúde e da educação terão à disposição uma obra inédita sobre Foniatria – área de especialização da Otorrinolaringologia responsável por estudar e compreender os distúrbios da comunicação e aprendizagem.

O livro “Tratado de Foniatria”, da editora Thieme Revinter, é resultado da dedicação de duas renomadas profissionais do segmento: Sulene Pirana, otorrinolaringologista e coordenadora do Programa de Residência Médica do Hospital Universitário São Francisco na Providência de Deus (HUSF), e Mariana Lopes Fávero, otorrinolaringologista e especialista em foniatria. As profissionais enxergaram a necessidade de difundir o tema, que, embora essencial para o desenvolvimento humano, ainda é desconhecido pelas esferas multidisciplinares.

“O contexto que envolve os distúrbios de comunicação e aprendizagem é muito amplo, afinal, ele traz consigo quadros semelhantes, mas com causas totalmente diferentes. Neste panorama, a foniatria se mostra fundamental, pois caberá a ela realizar a abordagem médica de cada caso e elaborar o diagnóstico, que servirá de suporte para a correta terapia de crianças ou adultos”, explica Sulene, antes de destacar a importância de um encaminhamento adequado durante o período de formação escolar.

“É muito comum ver um aluno ser taxado de preguiçoso na escola, mas a descrição do problema é totalmente diferente da causa. Precisamos ir muito além da simples constatação, para entender o motivo de determinado comportamento.

Portanto, a foniatria não dialoga apenas com médicos (otorrinolaringologistas, pediatras, psiquiatras e neurologistas), mas também com psicólogos, fonoaudiólogos, pedagogos, psicopedagogos e até mesmo linguistas”, destaca a especialista.

Finalizada em dezembro de 2019, a obra, cujo público-alvo engloba os profissionais que se interessam por problemas de linguagem, será lançada oficialmente no mês de fevereiro em evento no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo.

Orgulhosa pelo resultado do trabalho, a médica Sulene Pirana, que também ministra cursos de formação em Foniatria na Universidade de São Paulo (USP) e na Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), disse esperar contribuir de modo eficaz para a difusão do conhecimento técnico sobre o assunto.

“Por se tratar da primeira obra brasileira sobre foniatria, esperamos uma grande adesão dos profissionais da saúde. Antes, a abordagem da especialidade estava restrita aos artigos publicados na internet. Entretanto, o tema merece uma referência abrangente e confiável e precisa ser popularizado para além da otorrinolaringologia, visto que 15% das pessoas, aproximadamente, apresentarão problemas de comunicação ou aprendizagem durante a vida”, encerrou.