Cotidiano

Lago da Hípica começa a ganhar forma

publicado em 10 de julho de 2020 - Por BJD
Após término das obras de recuperação do lago, que estão sendo executadas pela Sabesp, Prefeitura fará a revitalização do entorno, bem como a pavimentação das ruas próximas (Gerson Gomes/Bragança-Jornal)

Desde janeiro a Companhia de Abastecimento do Estado de São Paulo (Sabesp) trabalha no desassoreamento do Lago da Hípica Jaguary, na zona norte da cidade, através de uma empresa contratada via licitação. O lago começa a ganhar forma com a implantação dos taludes.

A empresa responsável pelo abastecimento de água e saneamento básico do município informou à reportagem do Bragança-Jornal que as obras estão dentro do cronograma. ”Já foram concluídos a movimentação de terra para a adequação das margens do lago, a construção de taludes e de um barramento de proteção. Para continuidade de projeto, estão previstas as etapas de conclusão da construção do gabião de proteção, conforme o cronograma de estruturas descritas no contrato”, informou.

Nas últimas semanas o vereador Marcus Valle comentou denúncias de que as obras no lago da Hípica estariam impactando uma lagoa às margens da Rodovia Capitão Barduíno (SP-008), próximo ao Bairro do Curitibanos, mas a Sabesp garante que “toma todas as providências preventivas para evitar o assoreamento dessa lagoa”, informou.

O investimento da Sabesp para realização do projeto será de R$ 3,7 milhões. Além dos investimentos do governo estadual, a Prefeitura de Bragança Paulista também atuará no local, sendo responsável pela revitalização do entorno e pela pavimentação das ruas que dão acesso ao lago, medida de contenção dos sedimentos para evitar novo assoreamento. A previsão é que as obras sejam concluídas até dezembro.

HISTÓRICO

O Lago da Hípica Jaguary é objeto de batalha judicial iniciada com um inquérito civil pelo Ministério Público (MP-SP), em novembro de 2005, para forçar os responsáveis a reparar os danos pelo assoreamento do local. Na época, o MP-SP apontou como responsáveis a Sabesp, pelo lançamento do lodo da Estação de Tratamento de Águas do Jardim Santa Lúcia, e a Prefeitura, pela erosão de ruas sem calçamento dos loteamentos Hípica Jaguary, Jardim do Cedro, Conjunto Habitacional CDHU, e também pelas obras de pavimentação da Rua Alziro de Oliveira.

Desde então, o processo teve inúmeros andamentos, inclusive com acordos firmados e não cumpridos, o que resultou numa sentença judicial que, em 2018, julgou parcialmente procedente a ação e determinou que a Sabesp e a Prefeitura executassem a recuperação e o impedimento de assoreamento do Lago da Hípica, conforme as obrigações apontadas em laudo técnico. Desta forma, concluiu-se que a responsabilidade de 80% pela recuperação era da Sabesp e os outros 20% da Prefeitura de Bragança Paulista.

Conversas no Facebook