Cotidiano

Implantação de zona azul digital depende de investimento em TI

publicado em 16 de maio de 2018 - Por BJD
BJD

Passados quase três meses do início do processo de licitação da zona azul digital, a sua implantação definitiva ainda depende de um fator importante: investimento financeiro na área de Tecnologia da Informação (TI) pela Prefeitura.

“Estamos na fase de análise técnica dos sistemas apresentados pelas empresas. No entanto, identificamos que precisa ser aprimorada a área de infraestrutura de TI da Prefeitura para poder recepcionar os API’s [programação dos aplicativos] e efetuar o controle. Já mandei um ofício à Secretaria Municipal de Administração para que providencie os equipamentos necessários para fazermos os testes”, afirmou o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Manoel Marcos Botelho.

O processo de licitação para a digitalização das vagas de estacionamento da Zona Azul em Bragança Paulista foi iniciado em 21 de fevereiro. Cinco empresas se apresentaram e foram credenciadas, ou seja, todas elas poderão atuar na cidade.

O Cartão Bragança Azul Digital (CBAD) será o sistema de estacionamento rotativo nas vias, logradouros e áreas públicas de Bragança Paulista, com utilização de tecnologia digital. As empresas credenciadas foram: Central Park; Brotale Tecnologia e Software; Transitabile Sistemas de Controle de Vagas Automotivas; Serttel Soluções Mobilidade e Segurança Urbana; e Trânsito Certo

O município conta com 1.080 vagas de estacionamento na área de zona azul. Além disso, há 47 vagas para idosos; 33 para deficientes; e 8 para cargas e descargas, num total de 1.168 vagas. A ideia é que o Cartão Bragança Azul Digital seja por aplicativo de celular, similar ao modelo utilizado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) em São Paulo. A Prefeitura continuará com os revendedores, que utilizarão esse novo sistema. A ideia é também regulamentar esses revendedores e pré-estabelecer os valores de revenda.