Cotidiano

Grupos japoneses compram Santher

publicado em 28 de fevereiro de 2020 - Por BJD
Fábrica de Papel Santa Therezinha (Santher), uma das maiores empresas do ramo de celulose do país, e possui uma unidade fabril em Bragança Paulista (Divulgação/Santher)

Os grupos japoneses Daio e Marubeni anunciaram na quinta-feira, 27 de fevereiro, a compra da Fábrica de Papel Santa Therezinha S.A (Santher), que está há três gerações nas mãos da família Haidar.

O valor do negócio é de R$ 2,3 bilhões. Um comunicado foi expedido pela empresa brasileira no próprio site.

“Fabricante das marcas Personal, Sym, Snob e Kiss, entre outras, a Santher anuncia a venda de 100% de suas ações ordinárias para a joint venture H&PC Brazil Participações S.A., controlada pelas empresas japonesas Daio Paper Corporation (51%) e Marubeni Corporation (49%), numa transação cujo preço de aquisição líquido de endividamento é de R$2,303 bilhões”, afirma a empresa Santher.

Para a Daio, líder asiática na produção de papéis tissue e de produtos para cuidados pessoais, a transação representa uma oportunidade atrativa de entrar no mercado brasileiro, onde a demanda por bens de consumo, incluindo o de cuidados pessoais, deve aumentar significativamente. A empresa tem planos de estender o negócio para as regiões da América do Sul e conquistar clientes interessados em produtos de alto valor agregado nas regiões do oeste e sul da África.

A Marubeni considera a expansão no mercado internacional dos produtos H&PC (papel higiênico, fraldas descartáveis, absorventes femininos, guardanapos, etc.) como uma nova oportunidade de crescimento e prevê fornecê-los com alta qualidade em todo o mundo, e, ao mesmo tempo, contribuir para um ambiente sustentável e um estilo de vida seguro e confortável.

Segundo José Rubens de la Rosa, CEO da Santher, o negócio compreende a ampliação e diversificação do portfólio de produtos Santher. “Vamos agregar às nossas potencialidades de gestão e governança, recursos financeiros e sinergias, bem como tecnologias de produtos e processos, e melhorando o atendimento às sociedades brasileira e latino-americana”, afirma de la Rosa.

Fundada há 81 anos pelo empresário libanês Fadlo Haidar, formado em medicina, a empresa da zona leste da cidade de São Paulo começou a operar com produção para papel para embalagens. Haidar, que chegou ao Brasil em 1921, comprou um terreno no Bairro da Penha para construir a Fábrica de Papel Santa Therezinha.

Em 1978, a Unidade Fadlo Haidar é instalada em Bragança Paulista. Em 2016, foi inaugurado o Centro de Distribuição, considerado um dos mais modernos da América Latina, com alto nível de automação em todo o processo.