Cotidiano

Dia dos Pais a distância: especialistas dão dicas e recomendações para celebrar a data

publicado em 7 de agosto de 2020 - Por BJD
A psicóloga Vanessa Luiz Moreira diz que a aproximação no Dia dos Pais não é questão de presença física, mas sim de presença afetiva. Ao lado, o infectologista José Ribamar Borges Mendes enfatiza a importância do distanciamento social, inclusive no Dia dos Pais

Neste domingo, 9 de agosto, é comemorado o Dia dos Pais, data importante para o movimento do comércio e também para demonstrações de afeto e festivos encontros familiares.

Este ano, porém, por conta das recomendações de distanciamento social devido à alta transmissibilidade do Coronavírus, o contato não é recomendado.

A reportagem do Bragança-Jornal conversou com o infectologista José Ribamar Borges Mendes, que enfatizou a recomendação oficial de manter o distanciamento social, mesmo se tratando de uma importante data comemorativa. Mendes ressalta que não há como ter certeza se alguém se infectou ou está infectado, se essa pessoa for assintomática.

“Em Bragança Paulista existe, atualmente, um número expressivo e crescente de casos, inclusive um aumento de mortalidade, atingindo pessoas idosas, com mais de 60 anos, com doenças crônicas ou não”, salienta Mendes, daí a importância de se evitar aglomerações e reuniões familiares. “Está cheio de notícias de episódios lamentáveis, trágicos, de pessoas que se reuniram para comemorações familiares e houve casos com gravidade extrema e até mortes em algumas situações”, lembra.

Muitas pessoas usam o discurso de estarem todos respeitando a quarentena para se reunirem. Para Mendes, embora essa seja uma decisão pessoal, não é recomendada. “Como é que se vai garantir que não houve uma infecção, uma ruptura, um descuido qualquer ou mesmo uma acidentalidade? Não se tem controle do que todo mundo fez”, explica. O médico também assegura que uma pessoa pode se infectar e nem saber quando ou onde.

“A ida ao supermercado, a uma feira, ao hospital, enfim, há mil e uma maneiras de haver ruptura da proteção”, diz.
O infectologista, que também é pai e está distante do filho, disse à reportagem do Bragança-Jornal que neste domingo a comemoração será por meio eletrônico. “Conversa por telefone, videoconferência, essas coisas, porque a convivência ainda não é uma medida adequada”, finaliza.

Os desafios do isolamento social na família

A reportagem do Bragança-Jornal também conversou com a psicóloga Vanessa Luiz Moreira, que relatou um aumento significativo na procura de atendimento psicológico neste período de pandemia. “Diversas são as queixas, havendo aumento de sentimentos como angústia, preocupações, inseguranças, tristezas e muita ansiedade”, conta. A psicóloga explica que o isolamento social evidenciou o distanciamento emocional. “Muitos que não conviviam e não se relacionavam, passaram a conviver em um momento de muitas preocupações, não só com a saúde de todos os familiares, mas também tendo que lidar com dificuldades financeiras, causando ainda mais conflitos dentro dos lares”, afirma.

Para os filhos que buscam uma forma de se aproximar dos pais neste domingo, Vanessa recomenda uma aproximação afetiva, pelos meios de comunicação que tiverem acesso. “O importante é que todos possam entender que estar junto não significa estar perto, que não é questão de presença física, mas sim de presença afetiva”, pontua.
Para os pais, a pandemia também é tempo de grande preocupação com relação aos filhos.

“O sentimento de saudade e da falta da convivência é muito presente, além do medo de que os filhos se contaminem, que pode ser ainda maior do que o medo da própria contaminação”, considera Vanessa, que orienta que os pais aproveitem todos os momentos vivenciados com os filhos, mesmo que de forma virtual. “Que ao fechar as portas para o mundo exterior, possamos abrir as portas para nosso mundo interior”, diz.

Com relação ao momento de pandemia, a psicóloga orienta ainda a não alimentar sentimentos negativos e trágicos. “Não precisamos sofrer com situações que não estamos vivenciando e podemos não chegar a vivenciar”, explica. Ela ainda reforça que a ansiedade, quando equilibrada, pode ajudar a prevenir a contaminação, mas quando sentida em exagero, o paciente adoece e acarreta danos à sua saúde mental.

“Este será um Dia dos Pais diferente para muitas famílias, mas que não seja menos especial do que todos os outros. Que possamos observar a importância da data. Feliz dia dos Pais a todos os pais que são, aos que estão, e que principalmente escolhem ser”, finaliza Vanessa.

Conversas no Facebook