Cotidiano

Cresce percentual de estudantes da rede pública na Etec e Fatec

publicado em 30 de setembro de 2020 - Por BJD
Fatec Jornalista Omair Fagundes de Oliveira tem 200 vagas abertas para o vestibular do 2º semestre

O percentual de alunos de escolas públicas nas Fatec aumentou 14 pontos, se comparado ao mesmo período de 2019; nas Etec cresceu 4 pontos

Neste segundo semestre, aumentou o número de alunos oriundos da rede pública de ensino nas Escolas Técnicas (Etec) e Faculdades de Tecnologia (Fatec). O Relatório Socioeconômico elaborado pela Fundação de Apoio à Tecnologia (FAT), responsável pelos processos seletivos do Centro Paula Souza (CPS), mostra que nas Fatec o crescimento foi de 14 pontos percentuais, e nas Etec de 4 pontos, se comparado ao mesmo período do ano anterior. Em ambos os casos, o número ultrapassa 90%.

Em razão da pandemia, o modelo de seleção adotado no processo seletivo, que avaliou o histórico escolar no lugar das provas, pode ter sido um facilitador para o acesso de alunos da rede pública. A novidade influenciou algumas mudanças no perfil dos aprovados, segundo o coordenador do Ensino Médio e Técnico do CPS, Almério Melquíades de Araújo.

“A classificação pelo histórico escolar eliminou o problema da abstenção, que geralmente ocorria nos exames presenciais. A questão do deslocamento é um obstáculo, principalmente quando o candidato faz a prova em outro município”, argumenta. O índice de abstenção no processo seletivo de 2019 foi de 24,41%. Neste ano, isso não aconteceu.

Outro ponto importante foi a redução de 37% no valor da inscrição para o processo seletivo das Etec, que também pode ter tido impacto sobre o maior ingresso de alunos da rede pública.

Nas Fatec, a procura pelos cursos aumentou mais de 50% passando de 62.598 (2019) para 96.109 inscritos (2020). O número de afrodescendentes também foi relevante entre os aprovados para os cursos superiores tecnológicos, alcançando participação de 32,39%. No segundo semestre de 2019, o mesmo grupo representou 29,02%.

MAIS CALOURAS 

O relatório socioeconômico apontou outra mudança no perfil dos ingressantes: a maior presença de mulheres nos cursos técnicos e tecnológicos. Nas Etec, elas representam 59,68%, alta de aproximadamente 8,25 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado. “Nos últimos anos vem crescendo a procura pela formação nas áreas de serviço e saúde, tradicionalmente escolhidas por alunas”, pondera Araújo.

O curso técnico de Enfermagem aparece em nove colocações do ranking das habilitações mais concorridas do processo seletivo do segundo semestre de 2020. Outra opção do segmento de saúde bastante procurada e em destaque no ranking foi Farmácia.

A presença de mulheres entre os aprovados é mais significativa ainda nas Fatec, que registraram alta de 16,4 pontos percentuais. As candidatas selecionadas para os cursos tecnológicos representam 46,52% do total, ante apenas 30,12% dos classificados de 2019.

O acesso à internet em casa é outro dado que evoluiu de um ano para o outro. Nas Etec, 98,13% relataram ter acesso à rede no próprio domicílio, contra 95,02% de 2019. Nas Fatec, esse percentual é de 98,1%, ante 96,5% do ano anterior.

EMPREGABILIDADE EM ALTA

A empregabilidade e a qualidade dos cursos das Fatec são os principais fatores que atraem os candidatos para concorrer a uma vaga nos cursos superiores tecnológicos. Entre os entrevistados, 34,3% afirmaram ter escolhido a Fatec por causa do potencial de empregabilidade que esse tipo de graduação oferece; e 15,2% disseram terem sido motivados pela boa reputação do ensino. No processo seletivo do segundo semestre de 2019, as mesmas categorias receberam 27,2% e 13,2% das respostas, sinalizando também uma tendência de alta.

O reconhecimento da qualidade do ensino reflete-se nas taxas positivas de empregabilidade dos egressos das Fatec, segundo o coordenador do ensino superior tecnológico, Rafael Ferreira. “A formação do Centro Paula Souza voltada à inovação e ao empreendedorismo diferencia os tecnólogos que se destacam em processos seletivos ou na criação do próprio negócio”, argumenta.

Conversas no Facebook