Cotidiano

Concurso Artístico no EEMABA premia três alunos por poesias relacionadas ao coronavírus

publicado em 14 de dezembro de 2020 - Por BJD
Da esquerda para a direita: Camila Sant’anna Escuer Bozola, vice-diretora; Amanda Fernandes, coordenadora, e Bruniele Mayara Maia de Moraes, vencedora do concurso (Divulgação)

Na última semana, a Escola Estadual Ministro Alcindo Bueno de Assis premiou três alunos pela criação de poesias relacionadas à Covid-19.

O professor de história e filosofia do EEMABA, Leandro César Alves, conta que a ideia de promover o Concurso Artístico surgiu durante uma reunião do Grêmio Estudantil. “Uma aluna disse que muitas amigas estavam escrevendo bastante durante a pandemia para aliviar as angústias e ansiedade. Assim, elas resolveram criar um concurso de poesia como uma forma de tentar extrair coisas positivas neste momento”, afirmou.

Com o tema “Viva a alegria, mesmo na Pandemia”, o concurso contou com três escritores da Associação de Escritores de Bragança Paulista (ASES) como jurados: Fábio Siqueira do Amaral, Anna Servelhere e Wadad Kattar.
Segundo Leandro, eles receberam o edital, as poesias e selecionaram três. Ao todo foram 19 poesias finalistas.
O concurso ficou aberto do dia 1º ao dia 30 de outubro e a premiação ocorreu em 9 de dezembro.

“Vale destacar o protagonismo juvenil dos alunos do Grêmio que mesmo de forma remota organizaram tudo. Desde a ideia, o concurso, o edital, os formulários de inscrições, até os cartazes de divulgação online”, finalizou o professor.

VIVA A ALEGRIA, MESMO NA PANDEMIA
(Bruniele Mayara Maia de Moraes – 1ª colocada)

O Coronavírus veio de repente
Matou muita gente
Deixando um sentimento de tristeza
Na população inteira.

Causou a morte de tantas pessoas
Tirou o emprego de muitas outras
Muitos não têm o que comer,
Pegam latinhas, papelões para sobreviver.

Nem mesmo a escola escapou,
Veio o Corona e a fechou
E os que moram com pessoas mais velhas:
Cuidem-se! Para não levar a doença a elas.

Se olharmos com mais cuidado,
nem tudo está perdido
A mãe que trabalhava aflita,
Agora passa mais tempo com a família
O pai separado que só pensava em trabalho,
enfim olhou a foto dos filhos no retrato.

As oportunidades para acreditar
e junto da família estar, estão aí,
Não espere o tempo de partir
A maior alegria é estarmos todos reunidos,
Porque senão, tudo estará perdido.

——————

PLUMAS
(Matheus Francisco Marino Mena – 2º colocado)

Vento sopra, folhas caem e mais um dia de quarentena se esvai.
Para seu dia começar bem, faça assim:
Cuide bem de você, de sua família, do mundo e, enfim…
Chore, ria, mesmo que talvez passastes por noites frias

Mas não se esqueça de que mesmo na pandemia,
ainda se encontra a alegria:
Clichês, onomatopeias, ciências aplicadas,
física, psicanálise, histórias contadas.
Gullar, Bandeira, Drummond,
Florbela, Sylvia Plath e até Juon

Não há problemas, se por vezes,
caístes em contradição.
Crie um Jardim… Amarílis,
Amor-perfeito e até Capim.
Se minhas ideias não foram suficientes,
ainda assim…
siga as suas e conte-as para mim.

——————

SEPARADOS, MAS UNIDOS!
(Maria Luisa Marafanti Zilocchi – 3ª colocada)

A cada dia não tem sido fácil.
Nós perdemos.
Perdemos uma parte de si.
O amado, o abraço, o carinho da avó — o toque!

As pessoas lá fora não entendem.
Precisamos nos distanciar.
Tentar se adaptar.
Para que tudo isso possa acabar.

Os médicos estão surtando.
Há muitas pessoas chorando.
Os ignorantes é que não estão se importando.

O que a próxima geração vai dizer?
Será que vão entender?

Mas ainda dá tempo de acertar.
Precisamos ser fortes e aguentar.
A esperança não pode faltar.

Separados pelo distanciamento,
Mas unidos pelo amor.

Conversas no Facebook