Cotidiano

Catedral reabre as portas aos católicos

publicado em 1 de junho de 2020 - Por BJD
Primeira missa presencial após mais de 70 dias foi presidida pelo bispo Dom Sérgio nesta segunda-feira, 1º de junho (Gerson Gomes/Bragança-Jornal)

Além da retomada parcial das atividades econômicas no município, esta segunda-feira, 1º de junho, foi marcada pela reabertura das igrejas e templos.

Na igreja Catedral, a tradicional missa do meio-dia das segundas-feiras foi presidida pelo bispo Dom Sérgio Aparecido Colombo e concelebrada pelo pároco Pe. Marcelo Falsarela.

Horas antes da celebração o Bragança-Jornal conversou por telefone com o presbítero da Diocese de Bragança Paulista, que afirmou ser a favor da abertura dos templos de acordo com os protocolos. “Sou a favor que a igreja se abra respeitando os protocolos da Secretaria de Saúde.

A igreja é promotora da vida e neste momento custou tê-las mantido fechadas. Muitos não compreenderam, muitos ameaçaram o bispo, mas para colaborarmos com a saúde do povo, fechamos os templos”, disse Dom Sérgio, que comemorou a abertura num dia de festa para a Igreja Católica.

Meus irmãos e minhas irmãs. Hoje, dia 1º de junho, a Igreja faz a memória de São Justino, lá do início do Cristianismo; e de Maria, Mãe da Igreja. Veja que bonito, na memória de Maria, Mãe da Igreja, nós podemos retomar, com muita cautela, as atividades litúrgicas da igreja. Hoje nós estamos abrindo os templos da cidade de Bragança.

Abrir as igrejas significa abrir o templo, porque a Igreja nunca fecha, porque a Igreja é o próprio Jesus com a sua comunidade, Igreja de pessoas, Igreja-Povo. Pode ser que tenha alguma paróquia ou comunidade que vai manter fechada e nós respeitamos se algum padre achar que deve esperar mais algumas semanas, mas Bragança, segundo protocolo da Secretaria de Saúde, com todos os cuidados, nós podemos abrir as igrejas e isso nos deixa muito felizes”, afirmou o bispo.

“Na Catedral, a igreja do bispo, nós tomamos todas as providências para poder fazer esta abertura, inclusive deixamos o número de bancos que comportam o número de pessoas que o protocolo prevê, ou seja, não haverá aglomeração. Haverá álcool em gel nas portas, o tapete com produto necessário para a higienização dos calçados, a distância necessária, as máscaras.

Para a distribuição da comunhão, cada ministro ou padre irá higienizar as mãos e cada um que receber a comunhão também terá as mãos higienizadas, de forma que estamos tomando todas as providências.

Que as pessoas compreendam que num primeiro momento não é para lotar a Catedral. Estamos num trabalho reduzido de pessoas. Se chegar ao número máximo de pessoas, não poderá entrar, e pedimos para que as pessoas nos compreendam. Se houver tumulto na porta para quererem entrar, sobretudo pessoas mais idosas e doentes, com sintomas de gripe, nós teremos que fechar a Catedral.

Se as pessoas colaborarem com os protocolos e as orientações, tudo vai facilitar para a abertura ampla. Deus não abandona o seu povo, e se a pandemia não acabou, nós estamos vendo sinais de recuperação, de restauração e nós vamos chegar lá porque Deus está caminhando conosco”, finalizou Dom Sérgio.

Na missa desta segunda-feira, 1, os bancos sinalizavam que apenas duas pessoas podiam sentar, nas extremidades, evitando aglomeração. A Paróquia Nossa Senhora da Conceição terá as missas normais nos dias úteis, e aos finais de semana na Catedral e na igreja do Rosário.

Conversas no Facebook