Cotidiano

Cantareira fecha 2019 no estado de atenção

publicado em 4 de janeiro de 2020 - Por BJD
Crédito: Gerson Gomes/Bragança-Jornal

O Sistema Cantareira fechou o ano de 2019 com 40,4% do nível de sua capacidade de armazenamento. Os dados são da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Com esse percentual, o sistema está no estado de atenção.

As regras da operação anticrise hídrica publicada pela Agência Nacional de Água (ANA) em 2017, determina que o sistema entra automaticamente na faixa 3, de estado de alerta, quando ficar abaixo de 40%. Acima de 40% até 59,9%, o estado é de atenção. Para ser considerado normal, o nível precisa chegar a 60%.

No dia 25 de dezembro, após 48 dias, o Sistema Cantareira saiu do estado de alerta. O Cantareira entrou no estado de alerta no dia 7 de novembro, ao atingir 39,9% da sua capacidade de armazenamento de água. No dia 30 de novembro, o sistema operou em seu nível mais baixo na temporada, de 37,8%.

HISTÓRICO DO ANO

Entre julho de 2018 e janeiro de 2019 o Sistema Cantareira esteve no estado de alerta. Durante o último verão, o nível de água subiu. Em abril, o armazenamento chegou a 58,7%, mas a partir de então a queda foi constante, mês a mês. Em maio, com uma precipitação de apenas 37,3 mm, mais de 50% abaixo da média histórica para o mês, e o Sistema fechou com 57,7% da capacidade. Em junho, novamente com chuvas abaixo do esperado (33,6 para 61,1 de média), houve nova queda no nível, chegando a 55,4%.

Em julho o Sistema registrou 54% de sua capacidade de armazenamento, mesmo com chuvas acima da média histórica. Naquele mês, choveu 92,4 mm. Em agosto, a queda foi mais acentuada. Com apenas 13,3 mm de chuva (38,5% da média histórica, que é de 34,5 mm), o Cantareira perdeu 3,7% de sua capacidade e operou com 50,3%. Em setembro, apesar do índice de chuva ter sido maior, 54 mm, a situação já começou a preocupar, por estar a precipitação abaixo da média histórica, que é de 87,1 mm. O armazenamento chegou a 47%.

Porém em outubro, com precipitação de apenas 29,4 mm, sendo que a média histórica é 129,4 mm, o nível do Sistema Cantareira teve redução de 5,7% e fechou o mês em 41,3% da capacidade.

O mês de novembro voltou a registrar altos índices pluviométricos no Sistema Cantareira, comparado aos meses anteriores. No penúltimo mês do ano, choveu 133,9 mm. No entanto, o volume de chuva não foi suficiente para que o sistema saísse do estado de alerta.

Somente no dia 25 de dezembro, o Cantareira voltou ao estado de atenção. Segundo dados da Sabesp, no último mês do ano choveu 187,4 mm, um pouco abaixo da média histórica para o mês, que é de 219 mm.

O sistema abastece cerca de 7,5 milhões de pessoas por dia, 46% da população da Região Metropolitana de São Paulo, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA). Em 2014, o Estado de São Paulo vivenciou a maior crise hídrica da história, chegando a operar com o ‘volume morto’ (reserva de água profunda das represas).