Cotidiano

Câmara recebe representantes da Sabesp para tratar dos serviços prestados pela concessionária na cidade

publicado em 7 de fevereiro de 2020 - Por BJD
Bairro do Torozinho apresenta sérios problemas em relação ao esgoto, encontrado facilmente a céu aberto. Segundo a Sabesp, esse local exigirá uma obra mais complexa (Bragança-Jornal)

Nesta semana, a Comissão de Finanças, Orçamento, Obras, Serviços Públicos e Desenvolvimento Urbano da Câmara Municipal recebeu na sua primeira sessão semanal de 2020, representantes da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Os gerentes da empresa, José do Carmo Souza Júnior e Marco Antonio Siqueira, responderam a demandas da população e sanaram dúvidas sobre os serviços oferecidos pela concessionária no município.

O vereador Mario B. Silva, que deu início aos questionamentos, convidou moradores das Chácaras Julieta Cristina, localizada na zona norte da cidade, para acompanharem a sessão. “Temos a questão desse bairro, que está praticamente dentro da cidade, próximo a outros loteamentos, e na Rua José de Lima, conhecida como ‘Zé Japão’, não há ligação de água nem esgoto.

Estive no local com responsáveis da Sabesp e hoje trouxe os moradores para saber qual o posicionamento de vocês”, disse.Souza Júnior explicou que a vistoria foi feita e o estudo da viabilidade de atendimento será realizado, o que demora cerca de 30 dias.

Como parte desse estudo, os moradores haviam se comprometido em entregar a relação de moradores e quantidade de imóveis. O vereador então protocolou o documento e afirmou: “Quero registrar na frente da Comissão e moradores a entrega dessas informações e reafirmar o compromisso de que em 30 dias haverá um retorno por parte da Sabesp para esta comissão e vereadores”, disse.

Representantes da Sabesp e moradores das Chácaras Julieta Cristina participaram da Comissão da Câmara (DCI)

Na sequência, o vereador Mario questionou o serviço de repavimentação realizado pela concessionária. Os gerentes garantiram que este é um desafio para Sabesp e empresas de saneamento e que lutam para aprimorar o trabalho. “A Sabesp tem buscado uma melhoria contínua, desenvolvemos um campo de provas de pavimentação, que fica no Tanque do Moinho. Estamos com equipamentos novos na cidade, com ações pioneiras para melhorar a repavimentação”, garantiu.

Encerrando seus questionamentos, Mario B. Silva perguntou sobre a troca de hidrômetros no Green Park e os problemas que a população relata sobre erro na leitura do consumo de água. “A Sabesp possui um programa de troca preventiva desses equipamentos, que têm vida média de cinco anos. A troca não tem custos ao cliente, e todos os hidrômetros instalados têm certificação e homologação do Inmetro.

Em caso de dúvida, questionamentos na leitura, a Sabesp deve ser contatada via agência, 0800, aplicativo ou site, para que uma visita seja realizada”, disse Siqueira.

A presidente da Comissão, vereadora Fabiana Alessandri, questionou se, em caso de erro, há ressarcimento por parte da concessionária. A resposta foi positiva. Na sequência Natanael Ananias questionou sobre a ligação de rede de esgoto no Torozinho e Paturi. Souza Júnior explicou que há uma grande obra sendo realizada no Green Park e que o Jardim Paturi deve ser contemplado na sequência. Já o Torozinho exige uma obra mais complexa.

Natanael insistiu em saber sobre novas áreas atendidas, questionando sobre o bairro Luzia Vicente. A resposta foi que o projeto está pronto e que a Sabesp aguarda o término do período de chuvas, tendo como previsão três meses para que o serviço tenha início.

Fabiana também questionou a concessionária sobre a rede de água nos loteamentos Morada Campos Verdes e Recanto da Montanha. No caso da Morada Campos Verdes, a Sabesp aguarda abertura de rua para fazer a interligação; e no Recanto da Montanha aguarda a elaboração de estudos.

Sidiney Guedes apresentou reclamações sobre esgoto a céu aberto no Jardim Iguatemi e demandas de munícipes, encaminhadas via redes sociais. Os gerentes da Sabesp explicaram que no caso das reclamações dos munícipes sobre água turva, os casos devem ser avaliados individualmente. Já sobre o esgoto no Jardim Iguatemi, há um projeto para mapear a rede coletora e se os imóveis estão devidamente conectados, além da separação de água pluvial e esgoto.

Rita Leme perguntou sobre a possibilidade de instalação de reservatório para o Jardim Águas Claras, devido as reclamações de falta de água em diversas ocasiões. Souza Júnior explicou que, em muitos casos, os moradores não possuem caixas d’água, o que significa interrupção imediata da água em casos de manutenção. “São problemas pontuais, mas pensando no futuro já avaliamos uma área do bairro. Atualmente o abastecimento está equacionado e não temos problemas”, finalizou.

A Sabesp opera em Bragança Paulista sem contrato desde o ano de 2009. A atual gestão optou por formar um consórcio de municípios da região. Em 2018, houve uma tentativa de renovação do contrato, mas a proposta não prosperou. A partir de então, o Consórcio de Saneamento Nossa Água (Consana) optou pela licitação dos serviços de abastecimento de água e coleta de esgoto.

Na última quinta-feira, 6, encerrou o prazo de consulta pública da minuta do contrato, que teve como base o estudo escolhido da empresa Aegea Saneamento e Participações. Segundo o consórcio, o estudo apresentado pela Aegea “foi o mais vantajoso sob o ponto de vista técnico, econômico-financeiro e jurídico, aos interesses dos Municípios integrantes do Consórcio”.

O próximo passo é a publicação licitação que terá por objeto a Concessão Comum dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário dos Municípios consorciados ao Consana (Bragança Paulista, Joanópolis e Monte Alegre – Bom Jesus dos Perdões, que integra o consórcio, não entrará na licitação, pois fechou contrato com a Sabesp. Já os demais municípios da região deixaram o consórcio).