Cotidiano

Após dez meses, Sistema Cantareira volta a operar em estado de alerta

publicado em 11 de novembro de 2019 - Por BJD
Represa Jaguari/Jacareí: Com estado de alerta, limite de retirada é reduzido de 31 mil para 27 mil litros por segundo, de acordo com a Agência Nacional de Águas

O Sistema Cantareira entrou em estado de alerta na última quinta-feira, 7 de novembro, ao atingir 39,9% da sua capacidade de armazenamento de água.

Nesta segunda-feira, 11, o sistema registrava 39,3% da capacidade, de acordo com os dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Entre julho de 2018 e janeiro de 2019 o Sistema Cantareira já esteve no estado de alerta.

Na prática, o estado de alerta reduz a quantidade de água que a Sabesp pode retirar do manancial, de 31 mil litros por segundo para 27 mil litros por segundo. As novas regras da operação anticrise hídrica publicada pela Agência Nacional de Água (ANA) em 2017, determina que o sistema entra automaticamente na faixa 3, de estado de alerta, quando fica abaixo de 40%. Acima de 40% até 59,9%, o estado é de atenção. Para ser considerado normal, precisa chegar a 60%.

A queda do nível do Cantareira tem sido constante. No início deste mês, o Bragança-Jornal publicou uma matéria informando que o Sistema Cantareira estava muito próximo de entrar em estado de alerta.

Em outubro foram registrados apenas 29,4 mm de chuva e o sistema fechou o mês com 41,3% de sua capacidade. Com pouca chuva, dia a dia o nível foi caindo.

O sistema abastece cerca de 7,5 milhões de pessoas, 46% da população da Região Metropolitana de São Paulo, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA). Em 2014, o Estado de São Paulo vivenciou a maior crise hídrica da história, chegando a operar com o ‘volume morto’ (reserva de água profunda das represas).