Cotidiano

Após denúncia na Câmara, Prefeitura fiscaliza obras do Parque Ecológico

publicado em 17 de fevereiro de 2020 - Por BJD
Além do Parque Ecológico, local terá Viveiro Escola e Espaço de Convivência (SECOM)

Na última quinta-feira, 13, a secretários municipais de Meio Ambiente e Obras estiveram no futuro Parque Ecológico, Viveiro Escola e Espaço de Convivência, no Tanque do Moinho, para fiscalizarem o andamento das obras.

Na terça-feira, 11, o vereador Luís Henrique Duarte (PV) havia denunciado problemas em relação ao material usado na construção.

“Faço um alerta em relação à precariedade das obras do Ecoa. Esses dias têm chovido mesmo, porém, não é justificativa para o destelhamento que aconteceu. Se você analisar o dia em que isso ocorreu, comparando com a região, verá que dos dois lados do Tanque do Moinho esse foi o único caso de destelhamento.

Se tivesse ocorrido em muitos locais era algo que dava para entender, uma fatalidade, a força da natureza, mas não é o caso”, afirmou Luís Henrique, questionando se o material utilizado na obra segue a previsão contratual.

Em nota, a Prefeitura afirmou que durante a vistoria, o secretário municipal de Obras, André Monteiro, constatou o progresso dos trabalhos. “Os prédios já estão em estágio de acabamento para começar os serviços de pintura, colocação de esquadrias e detalhes finais. Estamos fazendo todas as adaptações necessárias para ficar um projeto funcional, que facilite o acesso das pessoas da melhor maneira possível e utilização dos prédios com a finalidade a que eles vão se destinar”, afirmou André.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Alexandro de Souza Morais, também esteve no local e salientou sobre as atividades que serão realizadas pela pasta após o término das obras. “Essa área foi alvo de degradação ambiental, muito entulho foi descartado no entorno e era mal utilizada. Com a implantação do Parque Ecológico, a população bragantina vai ter um novo espaço de lazer.

O Viveiro Escola vai complementar as ações ambientais, que não se resumem apenas à produção de mudas, teremos outras ações de educação ambiental com os alunos e a população que frequentará o local e o espaço do ECOA”, disse Alexandro. Também durante a vistoria, o vice-prefeito Amauri Sodré fez sugestões ao representante da empresa responsável pela obra, para segurança e melhor andamento das atividades desenvolvidas no local.

A implantação do Parque Ecológico visa a recuperação da área degradada situada às margens do Lago do Tanque do Moinho. No local também está sendo construído um Espaço Comunitário de Educação Socioambiental, denominado Viveiro Escola, além de um Espaço de Convivência.

Além disso, o local abrigará a sede do Espaço de Convivência e Aprendizado (Ecoa), uma instituição sem fins lucrativos focada no acolhimento afetivo e de aprendizado de crianças e adolescentes de comunidades carentes, que atende diariamente em média 120 crianças e adolescentes.
A obra tem um custo estimado de R$ 2.147.171,06.