Cotidiano

Apesar dos 133 mm de chuva em novembro, Sistema Cantareira continua em estado de alerta

publicado em 2 de dezembro de 2019 - Por BJD
Vista parcial da Represa Jaguari/Jacareí pelo Bairro da Serrinha (Crédito: Gerson Gomes/Bragança-Jornal)

O mês de novembro voltou a registrar altos índices pluviométricos no Sistema Cantareira, comparado aos meses anteriores.

No penúltimo mês do ano, choveu 133,9 mm, quatro vezes mais que em outubro, que registrou apenas 29,4. No entanto, o volume de chuva não foi suficiente para que o sistema saísse do estado de alerta.

O Sistema Cantareira entrou em estado de alerta no último dia 7 de novembro, ao atingir 39,9% da sua capacidade de armazenamento de água. No dia 30 de novembro, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o sistema operou com 37,8%. A expectativa de especialistas é para que as chuvas de verão possam auxiliar na retomada do volume.

Entre julho de 2018 e janeiro de 2019 o Sistema Cantareira já esteve no estado de alerta. Durante o último verão, o nível de água subiu. Em abril, o armazenamento chegou a 58,7%, mas a partir de então a queda tem sido constante, mês a mês. Em maio, com uma precipitação de apenas 37,3 mm, mais de 50% abaixo da média histórica para o mês, e o Sistema fechou com 57,7% da capacidade. Em junho, novamente com chuvas abaixo do esperado (33,6 para 61,1 de média), houve nova queda no nível, chegando a 55,4%.

Em julho o Sistema registrou 54% de sua capacidade de armazenamento, mesmo com chuvas acima da média histórica. Naquele mês, choveu 92,4 mm. Em agosto, a queda foi mais acentuada. Com apenas 13,3 mm de chuva (38,5% da média histórica de 34,5 mm), o Cantareira perdeu 3,7% de sua capacidade e operou com 50,3%. Em setembro, apesar do índice de chuva ter sido maior, 54 mm, a situação já começou a preocupar, por estar a precipitação abaixo da média histórica, que é de 87,1 mm. O armazenamento chegou a 47%.

Porém em outubro, com precipitação de apenas 29,4 mm, sendo que a média histórica é 129,4 mm, o nível do Sistema Cantareira teve redução de 5,7% e fechou o mês em 41,3% da capacidade.

ESTADO DE ALERTA

O estado de alerta reduz a quantidade de água que a Sabesp pode retirar do manancial, de 31 mil litros por segundo para 27 mil litros por segundo. As novas regras da operação anticrise hídrica publicada pela Agência Nacional de Água (ANA) em 2017, determina que o sistema entre automaticamente na faixa 3, de estado de alerta, quando fica abaixo de 40%. Acima de 40% até 59,9%, o estado é de atenção. Para ser considerado normal, precisa chegar a 60%.