Cotidiano

Adesão à vacinação contra gripe é baixa

publicado em 13 de junho de 2018 - Por BJD
Além das 29 unidades de Saúde, postos volantes foram disponibilizados para a população, mas mesmo assim, meta não foi atingida

Balanço da Secretaria Municipal de Saúde mostra que Bragança Paulista já imunizou 35.462 pessoas contra a gripe. No entanto, os índices de vacinação dos grupos prioritários, formados por crianças, gestantes e puérperas (mães que tiveram filhos nos últimos 45 dias) estão bem abaixo da meta.

De acordo com as informações da Secretaria de Saúde, foram vacinadas 4.396 crianças de 6 meses a 5 anos, ou seja, apenas 51,77%; 797 gestantes, o que corresponde a 48,8%; e 184 puérperas, 68,66%. A meta para esses grupos é imunizar 90% do público.

Alerta especial na reta final da campanha
é para crianças, grávidas e puérperas,
que ainda apresentam cobertura vacinal
de 51,77%, 48,8% e 68,66%, respectivamente

Os números dos outros grupos são melhores. Foram imunizados 17.037 idosos, o que corresponde a 89,07%; e 1.085 professores, 81,40%. Apenas um grupo prioritário superou a meta, o de trabalhadores da Saúde, com 4.344 profissionais vacinados, ou seja, 98,13%.

Dos que não têm meta, foram vacinados 388 pessoas do sistema prisional; 5.367 pessoas com doenças crônicas; e 1.864 com outras indicações.

Questionada se a Prefeitura poderia liberar a vacinação para as demais pessoas, o BJD foi informado que a Divisão de Vigilância Epidemiológica não tem autonomia de incluir grupos para a aplicação da vacina, tendo em vista que as doses são disponibilizadas para grupos prioritários. “Aguardamos liberação do Ministério da Saúde para inclusão de novos grupos”.

A Secretaria de Saúde ainda fez um apelo aos pais: “solicitamos que os pais levem seus filhos em uma das unidades de saúde para que recebam sua dose”.

Até a próxima sexta-feira, 15 de junho, conforme cronograma do Ministério da Saúde, as doses gratuitas continuam disponíveis nas 29 unidades de saúde do município, para todos os grupos do público-alvo.

ESTADO

No Estado de São Paulo, a meta da campanha é vacinar 10,7 milhões de pessoas contra o vírus Influenza. A campanha, que ocorre desde 23 de abril, já vacinou cerca de 3,9 milhões de idosos; mais de 1 milhão de crianças; mais de 211 mil gestantes e aproximadamente 59 mil puérperas, entre outros.

Considerando a meta, ainda é preciso vacinar cerca de 2,2 milhões de pessoas. “Para esses grupos, tomar a vacina é especialmente importante para evitar complicações futuras, como pneumonia e internações hospitalares”, afirma a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato. “A vacina não provoca gripe em quem tomar a dose, já que é composta apenas de fragmentos do vírus que causam a devida proteção, mas são incapazes de causar a doença”, explica.

Segundo recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde), a vacina de 2018 irá prevenir a população alvo contra o vírus Influenza dos tipos A (H1N1), A (H3N2) e B.

Conforme diretriz do Ministério da Saúde, somente casos de gripe grave, caracterizados como Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), independentemente do tipo, são de notificação obrigatória no Brasil. Em 2018, até o momento, foram notificados 458 casos de SRAG no Estado de São Paulo atribuíveis ao vírus Influenza, causador de gripes, e 71 óbitos. No ano de 2017, foram 1.021 casos e 200 óbitos.

A vacina contra gripe é produzida pelo Instituto Butantan, unidade vinculada à Secretaria, que neste ano disponibilizou 60 milhões de doses ao Ministério da Saúde para a realização da campanha em todo o Brasil.