Coronavírus

Visita virtual em UTI Covid-19: acolhimento durante a pandemia

publicado em 5 de outubro de 2020 - Por BJD
A chamada de vídeo é realizada beira-leito

Em situações de adversidade, instabilidade ou incertezas, as personagens envolvidas neste cenário, em algum momento, possam por angustias e outras formas de sofrimento.

Durante esta pandemia, o desafio é pensar e executar práticas de humanização e acolhimento, afinal, os protocolos de prevenção do novo Coronavírus (Covid-19) devem ser priorizados e seguidos à risca pelas instituições de saúde – principalmente dentro das Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Neste contexto de distanciamento social, o paciente internado com suspeita ou diagnóstico confirmado com Coronavírus acaba totalmente isolado de sua realidade. E, embora ainda não seja possível a visita presencial, há recursos tecnológicos que permitem a aproximação entre pacientes e seus familiares e amigos. Alicerçado em tais princípios, o Hospital Universitário São Francisco na Providência de Deus (HUSF) pôs em prática um projeto de visita virtual, que ocorre beira-leito na UTI Covid, sob os cuidados da psicóloga Flávia Gozzoli.

Através de um tablet, a profissional realiza a chamada de vídeo entre o paciente e seus familiares. A dinâmica, no entanto, requer uma comunicação integrada. “Antes de iniciar, é necessário informar o estado de comunicação efetiva do paciente.

Afinal, os familiares devem ter ciência de que o mesmo pode estar sedado ou sem condições de responder verbalmente. E, concomitantemente, fico à disposição para oferecer assistência e suporte psicológico necessário às partes”, sintetiza, antes de pontuar os benefícios da visita virtual.

“É uma ação amplamente positiva. O contato reduz a carga emocional relacionada ao distanciamento e também faz com que nossa equipe seja protagonista de uma atividade que propicia bem-estar ao paciente e seus familiares. Portanto, muito nos honra seguir fazendo o melhor ao próximo, pautados pela ética profissional e pelas políticas institucionais de humanização a serviço da vida”, finalizou Flávia.

Conversas no Facebook