Coronavírus

Retomada das aulas presenciais é adiada para o dia 7 de outubro

publicado em 7 de agosto de 2020 - Por BJD
A partir do dia 8 de setembro, escolas terão opção de reabrir apenas para atividades de recuperação e acolhimento (Gerson Gomes/Bragança-Jornal)

O Governo do Estado de São Paulo adiou a reabertura das escolas públicas e particulares para o dia 7 de outubro. Para que a previsão se concretize, é necessário que o Estado esteja por 28 dias na fase amarela do Plano São Paulo.

O retorno será gradual e, na primeira etapa, vai atingir até 35% dos alunos. O anúncio foi feito nesta sexta-feira, 7 de agosto, pelo governador João Doria.

“A volta gradual e responsável das atividades escolares é fundamental, principalmente para as crianças das camadas mais desfavorecidas da sociedade. O retorno é importante não somente pelo aspecto educacional, mas também pela questão social e da segurança alimentar”, afirmou o governador Doria.

Os riscos para saúde mental dos estudantes com longos períodos de isolamento devido à pandemia e ao fechamento das escolas têm sido apontados em alguns estudos. Segundo pesquisa Datafolha, 75% dos estudantes das escolas estaduais de São Paulo declararam que estão tristes, ansiosos ou irritados.

A última previsão do Governo de São Paulo era de que as atividades presenciais pudessem ser retomadas no dia 8 de setembro. A data teve de ser adiada por recomendação do Centro de Contingência do Coronavírus, tendo em vista que apesar de 86% da população do estado já estar na fase amarela, dificilmente no próximo ciclo de 14 dias, todo o estado estará, já que há regiões que continuam na fase vermelha.

No entanto, a partir do dia 8 de setembro, as escolas localizadas em regiões na fase amarela ficam autorizadas a receber os alunos para aulas de reforço, recuperação e atividades opcionais. Para isso, as regiões também terão de obedecer ao critério de estar há pelo menos 28 dias na fase amarela.

Além disso, as escolas também terão de respeitar o limite máximo de alunos nas unidades e os protocolos sanitários. Nesta primeira etapa, na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental, apenas até 35% dos alunos devem ser atendidos em atividades presenciais. Para os anos finais do ensino fundamental e ensino médio, o limite máximo de alunos é de 20%.

Cada escola poderá optar pela reabertura regionalizada a partir de um processo de consulta com envolvimento da comunidade escolar – pais e responsáveis, estudantes e educadores.

Conversas no Facebook