Coronavírus

Prefeitura seguirá decisão do Estado e não abrirá salões de cabeleireiros, barbearias e academias

publicado em 13 de maio de 2020 - Por BJD

A Prefeitura retrocedeu à decisão de abrir os salões de cabeleireiros, barbearias e academias, conforme o Decreto Federal nº 10.344 publicado no Diário Oficial da União de segunda-feira, 11, que considera esses serviços como essenciais. A mudança de posicionamento ocorre depois de o governador João Doria se colocar contra a abertura desses segmentos de mercado.

Em resposta à solicitação do Bragança-Jornal, a Prefeitura afirmou que “considerando a existência de conflito de norma [federal] em relação ao Decreto 64.881, de 22 de março de 2020, do Governo do Estado de São Paulo, resolve, neste momento, acatar a recomendação da Secretaria de Saúde do Estado e do Comitê de Saúde do Estado, formado especialmente para tratar de assuntos da Covid-19, os quais indicam que ainda não temos condições sanitárias seguras para autorizar a abertura de academia, salões de beleza e barbearias”.

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 13 de maio, o governador João Doria se posicionou contra a inclusão das atividades de salões de cabeleireiros, barbearias e academias como serviços essenciais, conforme decreto do presidente Jair Bolsonaro.

“O Comitê de Saúde e a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo nos indicam que ainda não temos condições de abrir academias, salões de cabeleireiros e barbearias neste momento”, disse Doria. “Até o dia 31 de maio nenhuma mudança será feita na quarentena. E a medida vale para os 645 municípios do Estado de São Paulo”, afirmou o governador.

A Prefeitura de Bragança Paulista ainda afirmou que o “Comitê de Crise Para a Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19 do Município, elaborou um documento para balizar as futuras ações tanto no aspecto da flexibilização ou para o aumento do isolamento no Município, cujas ações serão anunciadas nos próximos dias”.