Coronavírus

Prefeito solicita ao governador antecipação da vacinação contra a Covid-19 para área da Educação e Segurança

publicado em 27 de janeiro de 2021 - Por BJD
Neste primeiro momento, a vacinação é destinada aos profissionais da saúde e aos idosos que residem em Instituições de Longa Permanência (ILP) (Secom)

A Prefeitura enviou na terça-feira, 26 de janeiro, ofício ao Governo do Estado de São Paulo solicitando a possibilidade de antecipar a vacinação dos profissionais da Educação Básica e de Segurança Pública contra a Covid-19. Essas categorias estão inclusas nos grupos prioritários de vacinação contra o Coronavírus, de acordo com o Programa Nacional de Imunização (PNI).

A Prefeitura entende ser de extrema importância garantir a segurança à saúde de alunos e funcionários das escolas públicas estaduais e municipais, uma vez que será ampliado o quantitativo de pessoas nos prédios escolares. Com a retomada das aulas presenciais, ocorrerá o contato diário entre funcionários das escolas, alunos e familiares, mesmo que em níveis de 35% de comparecimento às atividades.

Além disso, Policiais Militares, Civis e Guardas Civis são peças fundamentais à segurança do município, e para tanto, todo efetivo trabalha constantemente e principalmente em ações de combate à prevenção à pandemia, dispersando aglomerações e contribuindo na fiscalização junto às medidas implantadas para enfrentamento ao Coronavírus.

MANIFESTAÇÃO DA APEOESP

Representantes da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) também pleiteiam a vacinação dos profissionais da educação e sinalizam greve para o adiamento do retorno às aulas presenciais.

Em reunião realizada no último sábado, 23 de janeiro, o Conselho Estadual de Representantes da APEOESP aprovou para 8 de fevereiro a indicação de greve da categoria, se o Governo Estadual não suspender o retorno às aulas presenciais. O indicativo será debatido em reuniões de representantes a serem realizadas pelas subsedes da entidade até dia 4 de fevereiro e em assembleia estadual regionalizada virtual no dia 5 de fevereiro.

Estão previstos atos/carreatas regionais, além de uma manifestação a nível estadual. Também deve acontecer uma campanha de esclarecimento e mobilização nas redes sociais.

Para o sindicato, o adiamento do início das aulas presenciais para 8 de fevereiro é insuficiente. Os profissionais da educação estadual defendem que a possibilidade de retorno às aulas presenciais deve partir da combinação de pelo menos três fatores: vacinação em massa dos profissionais da educação na primeira etapa, juntamente com os profissionais da saúde, dos idosos e indígenas; controle total da pandemia, com a redução da ocorrência de casos, internações e óbitos; e a existência de condições estruturais e de pessoal nas escolas que assegurem os protocolos de segurança sanitária necessários à garantia da saúde e da vida da comunidade escolar.

“Sem estas condições, lutaremos contra o retorno e insistiremos junto ao governo para que garanta ensino remoto a todos os professores e estudantes. Se não é o ideal, é a única forma de nos defendermos da pandemia neste momento, evitando um agravamento ainda maior”, afirmou.

A APEOESP disponibilizou uma pesquisa online sobre a volta às aulas presenciais e a indicação de greve em defesa da vida no portal do Sindicato,que pode ser acessada pelo link: https://bit.ly/3iFK6J6.

Conversas no Facebook