Coronavírus

Notas sobre o Coronavírus

publicado em 23 de março de 2020 - Por BJD

MINISTÉRIO DA SAÚDE NÃO RECOMENDA O USO DO MEDICAMENTO IBUPROFENO – O Ministério da Saúde recomenda a substituição do medicamento Ibuprofeno por outros analgésicos como, por exemplo, paracetamol ou dipirona.

Apesar de ainda não haver confirmação científica, outros países, como França, Espanha e Inglaterra levantaram a precaução por causa de possíveis agravamentos na condição clínica de pacientes graves com coronavírus, ou seja, com dificuldades respiratórias. Além disso, é preciso que essa substituição seja realizada por uma recomendação médica.

Em relação aos medicamentos utilizados para casos de hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares, o Ministério da Saúde não recomenda a suspensão do tratamento e respectivos medicamentos, uma vez que a falta deles pode trazer agravamento destas doenças. É importante que o paciente sempre busque orientação de um profissional de saúde antes de tomar qualquer medicamento.

PLANOS DE SAÚDE DEVEM REALIZAR EXAMES PARA A DOENÇA – A partir de agora, os Planos de Saúde no Brasil vão prestar cobertura e testes diagnósticos para detecção de infecção pelo Coronavírus. De acordo com a Resolução Normativa Nº 453, publicada pelo Ministério da Saúde, fica estabelecida a cobertura obrigatória quando o paciente se enquadrar na definição de caso suspeito ou provável de doença pelo Coronavírus (COVID-19).

O teste será coberto para os beneficiários de planos de saúde com segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência e será feito nos casos em que houver indicação médica. Além disso, a orientação é a de que o beneficiário não se dirija a hospitais ou outras unidades de saúde sem antes consultar o plano de saúde, para receber informações sobre o local mais adequado para a realização de exame ou para esclarecimento de dúvidas sobre diagnóstico ou tratamento da doença.

LABORATÓRIOS PÚBLICOS DE TODO O PAÍS PODEM REALIZAR EXAMES PARA A DOENÇA – A partir de agora, os Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACEN) dos 26 estados e do Distrito Federal estão capacitados para realizar exames para o coronavírus como parte do esforço de enfrentamento à doença. A medida é importante porque descentraliza o diagnóstico do coronavírus para todo o país.

Com isso, o Ministério da Saúde cumpre o plano de trabalho para aumentar a capilaridade de diagnósticos para além dos laboratórios de referência, que hoje são a Fiocruz, no Rio de Janeiro, o Instituto Adolfo Lutz (IAL), em São Paulo, e o Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará. As capacitações começaram a ser realizadas em fevereiro deste ano, e foram finalizadas na última quarta-feira, 18. De acordo com o secretário Nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, com essa medida será possível oferecer resultados mais eficientes e precisos.

“Vamos reforçar, automatizar a rede nacional de laboratórios pública. Vamos ampliar a nossa capacidade de diagnóstico. Vamos oferecer à população um serviço que ela tenha em sua mão do momento que eu colho alguma coisa dela, o resultado na mão dela. Ela [a população] tem o direito de ter isso.”

Os testes estão sendo produzidos com prioridade pelo Instituto Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A produção é semanal e a distribuição também é feita toda semana com envios aos estados. Atualmente são produzidos entre 3,5 mil a 4 mil testes a cada três dias e essa produção está sendo escalonada para aumentar a capacidade de fabricação.