Coronavírus

Município gastou R$ 84 milhões com a Saúde em quatro meses

publicado em 29 de maio de 2020 - Por BJD
Somente de IPTU, a queda foi de aproximadamente R$ 700 mil (Bragança-Jornal)

A Comissão de Educação e Cultura, Esporte, Saúde, Saneamento e Assistência Social da Câmara Municipal de Bragança Paulista, recebeu nesta semana a prestação de contas do 1º quadrimestre de 2020 da Secretaria Municipal da Saúde.

Os impactos do Covid-19 e as ações adotadas pelo município foram destaque na apresentação. A secretária Marina Fátima de Oliveira, a coordenadora Municipal do Fundo Municipal de Saúde, Renata Marcelino, e o assessor de gabinete Marcus Leme detalharam as ações da pasta de janeiro até abril de 2020.

Os valores empenhados de janeiro a abril são de R$ 2.019.237,09 na Vigilância em Saúde; R$ 3.085.480,57 com assistência farmacêutica; R$ 7.881.192,16 na Gestão do SUS; R$ 22.405.443,22 na Atenção Básica; e R$ 49.100.455,75 com média e alta complexidade.

Das despesas realizadas para o enfrentamento à pandemia, o Executivo informou valores referentes à compra de álcool em gel, locação de respiradores, compra de testes rápidos, serviços gráficos, locação de carro de som para campanha de prevenção, compra de leitos, etc. O total gasto foi de R$ 2.539,762,00.

“Temos feito tudo o que é possível para identificar e tratar precocemente as pessoas que são acometidas pela doença. Infelizmente registramos um novo óbito, totalizando 11 desde o início da pandemia, e nós lamentamos muito, mas estamos cientes de que é uma situação que vai perdurar, pois não vencemos a doença, apenas conseguimos driblar um pouco, para que a transmissibilidade se dê de forma mais lenta e a gente consiga atender a todos”, pontuou Marina.

Questionada pelo vereador José Gabriel Cintra Gonçalves sobre a situação da ocupação de leitos no município. Marina informou: “O hospital de campanha está vazio, pois temos poucas pessoas internadas, e se houver a necessidade, faremos uso.

Os leitos de UTI da Santa Casa estão 100% ocupados, mas ainda temos 3 vagas no HUSF e fomos informados da liberação de verba para mais 10 leitos de UTI do Hospital Bragantino e 10 no HUSF, que serão disponibilizados para Bragança Paulista e região”, explicou Marina.

O vereador Marco Antônio Marcolino perguntou como é feita a distribuição de leitos dos hospitais da cidade. “Os leitos do HUSF são para a Região Bragantina, que é composta por Atibaia, Pedra Bela, Pinhalzinho, Tuiuti, Vargem, Nazaré Paulista, Bom Jesus dos Perdões, Piracaia, Joanópolis e Socorro, e os 20 leitos anunciados a todas as 11 cidades.

Na Santa Casa de Misericórdia são quatro leitos, que são compartilhados com a população da cidade, moradores de Vargem e Tuiuti, e estamos no aguardo do credenciamento na Secretaria Estadual de Saúde e do Ministério da Saúde para a liberação de mais seis leitos para as três cidades”, afirmou.

Os técnicos da Secretaria informaram a receita de R$ 214.242.591,28 de janeiro a abril, sendo R$ 161.354.741,65 de impostos e transferências dos governos Estadual e Federal; R$ 13.742.025,35 de aplicações financeiras; R$ 104.956,10 de doações do Poder Judiciário e de empresas estabelecidas no município para o enfrentamento à Covid-19; e R$ 39.040.868,18 de demais receitas do município. Bragança Paulista recebeu aporte exclusivo para os gastos com a pandemia de R$ 1.733.105,76 do Governo Federal e R$ 1.334.024,00 do Governo do Estado de São Paulo.

Conversas no Facebook