Colunistas

Zoológico na região

publicado em 28 de setembro de 2019 - Por Marcus Valle

Fundado em 1994 como Paraíso das Aves, o Zoológico de Itatiba é muito bonito e organizado. Tem trilhas de 4 km, onde você observa os animais, na maioria aves (araras, flamingos, pelicanos, calaus, tucanos, papagaios, emas, tuiuiús, jaburus e a linda harpia – gavião real).

Mas tem também elefantes, rinocerontes, tamanduás, jaguatirica, jacarés, hipopótamos, lobo guará, búfalos, cobras, mangustos, lêmures e o belo e assustador tigre.

No local tem lanchonete, restaurante, loja (lado de fora) e muitas áreas de descanso nas trilhas. O ingresso custa R$ 50 para adultos e R$ 25 para estudantes e idosos (crianças de colo não pagam). Fica às margens da Rodovia D. Pedro, altura do km 98.

2 – Zoológicos e aquários: prós e contras

No Brasil havia muitos zoológicos e aquários improvisados. Animais muitas vezes sofriam maus tratos (pouco espaço, estresse, alimentação inadequada etc.). Em função disso, a legislação (e fiscalização) sobre eles se tornou mais rigorosa. Nos circos os animais foram proibidos. Atualmente existem 106 zoológicos e 10 aquários no país.

Há movimento para extinguir e proibir esses estabelecimentos, levando os animais para santuários (sem visitação ou exploração). Mas a maioria das pessoas da área de zoologia entende que para contribuir com a conservação animal, os aquários e zoológicos são importantes, pois exercem a função de conscientização, educação e pesquisa. Na Revista de Direito Ambiental (editora RT) nº 95, de Julho/Setembro de 2019, há excelente artigo sobre o tema.

3 – Santos: medidas compensatórias

Muito interessante a legislação de Santos no que se refere à complementação da norma federal relativa ao Estudo de Impacto de Vizinhança (Lei Complementar nº. 793/2013). Lá se define bem os impactos que têm que ser constatados (trânsito, desvalorização ou valorização de imóveis, poluição sonora e visual etc.).

Também há critérios objetivos para medidas mitigatórias e compensatórias, tais como: recursos para projetos, sinalização de trânsito, ampliação ou adequação da estrutura viária, doação de imóveis, construção de equipamentos comunitários de educação, saúde, lazer, segurança, cultura etc.

Vamos sugerir que se estude essa norma para futura aplicação em nosso município.

4 – Biometria

O Bragança-Jornal já alertou que 45% dos eleitores ainda não fizeram a biometria para poderem votar nas próximas eleições. O prazo vai até 19 de dezembro. Três meses e 50 mil eleitores a cadastrar, é quase 600 por dia.

Mas não é só não poder votar a consequência. Quem não fizer fica impossibilitado de tirar CPF, RG e passaporte. Também não pode assumir cargos públicos, renovar matrícula em instituições de ensino público, conseguir empréstimos em bancos públicos, dentre outras consequências previstas na legislação.

5 – Problemas crônicos no trânsito

O trânsito de Bragança está complicado, confuso e perigoso em vários pontos. Basta ver os engarrafamentos (rotatória do Habib´s e do Posto Tasca, por exemplo).

Também há locais perigosíssimos, sem soluções, tais como o famoso cruzamento entre a Rinzo Aoky e a XV de Dezembro, onde os acidentes são constantes (e as promessas do DER e Prefeitura também).

Falta pintura em várias faixas de pedestres e lombadas. Necessita também de campanhas de conscientização (para motoristas e pedestres) sobre o trânsito.

Tem também a questão da zona azul (necessária), com exageros (sem qualquer programação) e a discussão sobre a falta de estacionamentos em vários locais da cidade.

6 – Dica de livros

A Folha de S. Paulo está lançando uma coleção (livros semanais) sobre todos os governos da República. Na 1ª semana, há um resumo da história da Monarquia e República, com todos os presidentes. Também o 2º volume (que vem junto) traz o governo, a história e a biografia de Deodoro da Fonseca (o 1º presidente). O preço é de R$ 22 e se encontra nas bancas. Li e gostei. Vale a pena ler. Teremos todos os presidentes.

7 – Rápidas

1 – No Tanque do Moinho estão cortando árvores, ateando fogo nas margens e até construindo cabanas. Solicitamos providências.

2 – Audiência Publica sobre o Plano Diretor no dia 03 de outubro às 19h00 horas, na Câmara Municipal. Seria bom que todos comparecessem, mas que lessem o projeto (está disponível no site da Câmara – www.camarabp.sp.gov.br), para fazer observações objetivas.

8 – Folclore: isso que é predestinação

Anos 90. Um aluno meu da faculdade, do interior de São Paulo, começou a namorar uma garota de Brasília. Ela era de uma família riquíssima e ele foi passar as férias na casa dela.

Ficou por lá uns 30 dias. Logo que recomeçaram as aulas, ele me procurou para se aconselhar. Disse que nunca gostou de política e queria saber como era o Congresso, o que fazia a Câmara dos Deputados, qual era a função do Senado e quantos deputados Goiás tinha.

Intrigado com esse repentino interesse do rapaz pela política e pelo Poder Legislativo Federal, perguntei o porquê dessas indagações.

Daí, ele me contou, meio constrangido:
– O pai da minha namorada disse que nosso namoro ia muito bem, e que ele pretendia cuidar do futuro da gente. Disse que irá me lançar candidato a deputado federal em Brasília e que vai bancar minha campanha.

Como ele perguntou o que eu achava, brincando eu disse:
– Tudo bem. Mas se for eleito não vá errar o nome do Distrito Federal, e achar que é deputado de Goiás.
Semanas depois, o namoro não “vingou” e o Distrito Federal perdeu um grande (1,88m) deputado federal.