Colunistas

Um dia para observar aves

publicado em 6 de outubro de 2020 - Por Ambiente em Pauta

O dia 17 de outubro vai ser um dia muito especial para o mundo das aves. Observadores “birdwatchers” do mundo inteiro vão tirar o dia para ficar vendo passarinho passar. É o Grande Dia, o BIG DAY para ver como estão passando as aves nestes tempos de pandemia.

Cada observador anota, conta, descreve e localiza o que vê. Não precisa ser especialista, nem cientista, basta gostar de ver passarinho, anotar o nome e o número aproximado daqueles que viu e conhece. Onde viu e a que horas. Os que não viu e reconheceu pelo canto também valem. Depois é só inscrever a lista no eBird.org|brasil.

Serão 24 horas de observação de aves no mundo inteiro – mas você pode observar e listar só dez minutos no seu quintal por exemplo, e sua lista vai estar valendo também. Pelo eBird você poderá acompanhar ao vivo a contagem que está sendo feita em outros países. O Youtube através do Save Brasil e o facebook do eBird também estarão ligados. O Merlin Bird ID ajuda, em inglês, a identificar espécies. E o WikiAves brasileiro também.

No ano passado o BIG DAY reuniu mais de 20 mil pessoas, cerca de 150 países e foram inscritas 42.700 listas. Um tesouro para os cientistas do Laboratório de Ornitologia da Cornell University que não podem sair a campo para coletar tal volume de dados para estudar e pesquisar. Esta é a base do “Ciência Cidadã”.

A “Ciência Cidadã” é um movimento, hoje conhecido no mundo inteiro, que integra pessoas interessadas em sair a campo aos centros de pesquisa que precisam de grande profusão de dados e informações para estudar alguma problemática. São voluntários, cidadãos que não precisam ter mais do que a vontade de colocar seu tempo, suas habilidades, seu entusiasmo, paixão e conhecimentos a serviço da ciência, sem mais.

É o caso dos observadores de aves amadores que saem à procura dos pássaros que faltam em suas listas e compartilham. Eles são verdadeiros vigilantes da natureza e percebem logo quando uma mata sofre qualquer alteração que espanta os pássaros dali. A saúde, comportamento e deslocamento das aves nos quatro cantos do mundo importam para saber sobre o estado do planeta – as aves são verdadeiros bioindicadores da saúde da natureza. Se uma espécie desaparece de um lugar que era seu ou aparece em outro completamente distinto, isso quer dizer alguma coisa. E se uma espécie desaparece totalmente, então…

O Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira -SiBBR – tem uma seção dedicada a projetos da “Ciência Cidadã” . E se antes, no tempo de Humboldt e Darwin,  os registros e descobertas das expedições na natureza eram escritos e desenhados a mão, hoje os smartphones são excelentes ferramentas para coletar  e arquivar dados com maior precisão e qualidade. As antigas cadernetas de campo usadas pelos observadores de aves até recentemente, guardam, no entanto, preciosidades em termos de desenhos e descrições manuscritas, como mostrou o programa “Cadernetas de Campo” do canal Avistar Conecta  peloYoutube, que exibiu as famosas cadernetas de Helmut Sick, naturalista alemão naturalizado brasileiro (1910-1991). E na literatura temos, segundo o ornitólogo Luis Fernando de Andrade Ferreira,  um escritor amante das aves. No artigo “João Guimarães Rosa e suas aves: era ele um observador de aves”, o autor lista os hábitos, gostos e conhecimentos do escritor que o definem como amante, conhecedor e encantado observador de aves, muitas das quais – mais de uma centena – povoam seus livros. (www.ao.com.br  Atualidades Ornitológicas online, ano 2010,  número 153, páginas 33-49).

Contribuição de Teresa Otondo, integrante do Coletivo Socioambiental e Associação Bragança Mais.