Colunistas

Som infernal

publicado em 30 de março de 2019 - Por Marcus Valle

Na Avenida José Gomes da Rocha Leal, principalmente aos finais de semana, vários veículos estacionam na rua (próximo ao Club do Chocolate) e ligam o som altíssimo até altas horas, incomodando aos moradores próximos.

As reclamações são constantes, mas o problema continua.

É fundamental que haja providências.

Plantão e Guarda Ambiental

          Está para ser reativada a Guarda Civil Ambiental. Isso é supernecessário. Além de reforçar a fiscalização, a Guarda pode agir contra casos de poluição sonora e perturbação de sossego público, que normalmente ocorre no período noturno.

É necessário um plantão nesse período, pois as pessoas têm extrema dificuldade em reclamar e ter uma fiscalização adequada à noite.

O que pode?

         Muita gente pergunta se é proibido ou permitido nadar, andar de barco e usar os lagos do município.

A Lei 4.425/2014 (de nossa autoria) prevê que é proibido nadar e usar embarcações com motor nos lagos, mas permite que se utilizem caiaques, barcos a remo, stand ups, pedalinhos, ou qualquer embarcação sem motor, desde que se use colete salva vidas. Menores de 18 anos têm que ter autorização dos pais.

Red Bull e Bragantino

         Está sendo anunciado que o C. A. Bragantino fará um convênio, parceria ou fusão com o Red Bull para disputar o campeonato nacional da Série B e outros campeonatos.

É fato que é difícil manter um time nesses campeonatos com público diminuto (menos de mil torcedores por jogo comum, exceto contra grandes clubes). Mas ficam muitas dúvidas: 1 – O Clube vai ter o nome Bragantino? 2 – Por quanto tempo é o negocio? 3 – Quem vai dirigir o Clube? 4 – Qual o valor pago pela Red Bull? 5 – Onde vai ser aplicado o dinheiro?

Tudo isso é perguntado pelos torcedores. Afinal o “Bragantino” faz parte da história do município.

Ping pong

          Uma senhora nos relatou que encontrou na rua cinco filhotes de cão abandonados e doentes. Recolheu os animais e ligou ao Samuvet, mas foi informada que deveria ligar na Secretaria do Meio Ambiente (Bem Estar Animal); ela ligou e foi informada que teria que ligar no Samuvet. Nesse ping pong, ninguém resolveu a questão.

Trânsito: um horror

          Trânsito continua horrível. Engarrafamentos enormes em horários de pico. A rotatória do Habbib´s está sobrecarregada.

Motoristas têm que dar “voltas” desnecessárias. Imigrantes e ruas próximas sofrem reflexos. Na Zona Norte também.

Filme

          O filme “Nós”, do mesmo diretor de “Corra”, foi lançado no Brasil, e gerou grande repercussão na crítica.

Começa contando a história de uma família de raça negra, cuja mãe e esposa é perseguida por traumas de infância. Depois surgem figuras maléficas, clones das famílias e atacam as pessoas.

É um filme diferente, cheio de cenas sangrentas e ação. É confuso e inverossímil.

A maioria não vai gostar… mas é polêmico.

Rápidas

          1 – Prefeito promete concluir o Centro Cultural no prédio do antigo Colégio São Luiz, e colocá-lo em funcionamento ainda nessa administração.

2 – O projeto de empréstimo de 30 milhões da Prefeitura junto a Caixa, para usar no combate a enchentes, foi votado de afogadilho. Embora o tema seja importantíssimo, merecia maiores discussões devido ao grande valor, e às condições de pagamento.

3 – Continuam jogados os galhos (além de fios caídos), na Rua Teixeira (próximo à Pizzaria Razera) mais de 30 dias após terem caídos. Negligência.

Folclore: “visita odorífica”

          Semanas atrás, eu, minha mulher (Rosana) e meu filho (Marcus) fomos visitar uma pessoa doente.

Ela estava quase inconsciente, meio “grogue”. A enfermeira nos contou que ela estava usando fraldas, e tomando medicamentos fortes.

Me sentei ao lado da cama e senti um cheiro forte de “fezes”. Ao sair, a Rosana e o Marcus também comentaram que ao se aproximar da paciente sentiram o mesmo cheiro. Achamos que havia uma negligência na troca das fraldas.

Ao entrarmos no carro, sentimos o mesmo cheiro e estranhamos.

Daí, eu levantei os pés e vi que o meu tênis estava com a sola toda suja.

Provavelmente, antes de entrar na visita, pisei em cocô de cachorro.

Coitada da doente.