Colunistas

Semear é multiplicar: alguns frutos o semeador nem vê

publicado em 16 de março de 2019 - Por Antônio Carlos de Almeida

Há mais de ano vi neste jornal o anúncio de um curso oferecido pela Secretaria de Agronegócios, em parceria, creio eu, com o SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Era para jovens do ensino médio, que já tivessem alguma ligação com a produção agrícola ou que tivessem interesse nesse ramo de atividade.

Solicitei a um professor que tem especial ligação com o meio rural, que informasse seus alunos sobre essa possibilidade. Era uma coisa meio distante, pois todos os seus alunos moravam na cidade. Tive então uma primeira alegria ao descobrir que um dos alunos se matriculara e estava frequentando. Esse garoto já não está mais estudando na escola em que atuo. Foi fazer ensino médio em outra escola.

Alegria maior aconteceu recentemente. O ex-aluno me procurou para me perguntar se podia implantar um sistema de gotejamento feito com garrafas pet na pequena horta que existe na escola. Essa é a dinâmica da semeadura: uma ideia, uma pequena semente, uma comunicação, uma adesão … pode ter acontecido desse menino ter encontrado ali o que deseja fazer ao longo da vida.

Todo aquele que saber o que quer, imediatamente, entra em nova e contagiante dinâmica de vida. Todos temos diariamente excelentes oportunidades para semear, contagiar, multiplicar, expandir, transformar. Tudo isso sem gastar quase nada. Tudo a partir de uma pequena semente. Não há necessidade de grandes investimentos, de grandes esforços, apenas disponibilidade e agilidade.

Acho que foi no último dia letivo. Apenas professores estavam na escola cuidando de detalhes de encerramento de atividades. Alguém tomou conhecimento de uma nova escola profissionalizante, de alto padrão e gratuita, existente no Município. Deu a ideia para alguns colegas que estavam por ali de chamar alguns alunos e lhes sugerir que procurassem conhecer a Casa de Ensino Profissionalizante Pequeno Mundo, no Bairro do Campo Novo.

Logo vieram alguns alunos e, também, algumas mães. Foram orientados a fazer uma pré-inscrição no site da instituição. Tinha até esquecido disso quando há poucos dias encontrei dois adolescentes gêmeos, uniformizados, esperando o ônibus da escola. Fazem profissionalizante de manhã e o ensino médio à tarde.

Esses meninos, fiquei sabendo nesta semana, levaram outros dois colegas para a Pequeno Mundo. Todos eles afastaram-se da ociosidade, estão se preparando para o exercício de uma profissão, recebendo apoio e educação integral. Naquela ocasião, poderíamos ter contado uma piada a mais ou tomado juntos mais um cafezinho, meio sem querer, pelo menos sem qualquer planejamento prévio, lançamos importante semente. E estamos tendo a alegria de ver frutos.

Sementes produzem tantos frutos que é impossível a um semeador ver e saborear todos eles. O objetivo do semeador é multiplicar. Isso não é de hoje. Ao ensinar por meio de parábolas, Jesus recorreu à metáfora do semeador, no Evangelho segundo Mateus, capítulo 13: “Tendo Jesus saído de casa, naquele dia, estava assentado junto ao mar;e ajuntou-se muita gente ao pé dele, de sorte que, entrando num barco, se assentou; e toda a multidão estava em pé na praia. E falou-lhe de muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear.

E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na; e outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda; mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz. E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na. E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta”.

Muitas são as oportunidades contemporâneas de semear plantas frutíferas ou ornamentais, de semear uma boa palavra ou implementar uma ação benéfica ao nosso redor. Boas sementes, principalmente quando encontram terra boa, produzem muitos frutos. “Por que esperar o amanhã? Escuta este canto, enxuga este pranto, por que esperar amanhã? Escuta este canto de quem está sedento,é um canto que nos traz o vento. Alguém pede paz, alguém pede amor … E tu , o que lhe darás? Cada um de nós tem sempre o que dar, por isso não deixe … Não deixe pra fazer amanhã, deixar pra dizer amanhã”.