Colunistas

Réveillon em São Paulo… e em Bragança?

publicado em 8 de dezembro de 2018 - Por Marcus Valle

          Bruno Covas, prefeito de São Paulo, anunciou que o famoso réveillon da Avenida Paulista terá queima de fogos silenciosa (sem  fortes estampidos), com aqueles fogos coloridos, de efeitos visuais.          Em Bragança, eu e a vereadora Beth Chedid estamos com um projeto lei que proíbe a utilização de fogos barulhentos e bombas.

Estamos oficialmente pedindo que em Bragança, nosso réveillon não tenha esses fogos de fortes estampidos, mas só os coloridos, a exemplo da capital.

2 – Trânsito perigoso

          Em 2017, no Brasil morreram 40 mil pessoas em virtude de acidentes de trânsito (eram 44 mil mortes em 2012). Os carros são 55% no total dos veículos, mas representam 24% das mortes.

As motocicletas perfazem 22% da frota nacional, mas os mortos nesses veículos são 33 % do total.

Pedestres são 22% dos mortos e ciclistas 3%.

A cada 100 mil veículos, morrem 50 pessoas no Brasil, na Índia 86, China 25, EUA 12 e Alemanha 6.

3 – Reclamação

          Pastor Walter Junior enviou áudio com fotos a todos os vereadores, reclamando de mato alto em terrenos do Jardim São Miguel, fundos da Rua Maranhão. Há um mês enviamos indicação à prefeitura solicitando providências.

4 – Parque Municipal Lago dos Padres

        Aliás, nessa época de chuvas, o mato cresce muito e há muitas reclamações por toda parte da cidade.

No Parque novo – dos Padres – na Avenida Norte – Sul, e que faz divisa com o prédio da Prefeitura, o mato tomou conta de todas as trilhas, e a ponte está sendo destruída aos poucos. Solicitamos providências junto ao setor competente da Prefeitura.

5 – Deputado Daniel José

  O deputado estadual Daniel José (do partido NOVO), esteve na Câmara se apresentando aos vereadores locais, a convite do João Carlos Carvalho.

Eleito com quase 200 mil votos, respondeu a perguntas de vários vereadores, e em resumo disse:

1 – pretende não ser posição, nem oposição ao governador e sim independente; 2 – priorizará a “Educação”, e a fiscalização na sua atuação; 3 – tentará abordar e agir não nas questões pontuais como despachante ou para trazer verbas para municípios, mas principalmente para atacar as causas dos problemas (uma delas é a dependência econômica dos municípios do estado e da União).

Enfim, afirmou que tentará fazer um tipo diferente de política.

6 – Perigoso

          Perigoso cruzamento da Rua Francisco Luigi Picarelli (próximo ao Colégio Anglo) com a rotatória da Variante do Taboão, é a única rota para os motoristas dos bairros Santa Helena, Bosques da Pedra e outros para o Centro.

Em virtude disso, o movimento no local é intenso, e o número de acidentes aumentou. Noutra semana, bateu um carro com uma ambulância. Uma mulher que estava na ambulância (de Piracaia) morreu.

Necessário sinalizar melhor o local e liberar outra rota para os veículos acessarem o centro. O trânsito está infernal na Variante do Taboão, e vai piorar ainda mais quando entregarem os 364 apartamentos do edifício Carraro Home (onde vai aumentar bastante o fluxo de veículos).

7 – Parquinho

          Todos pediram que se fizesse a implantação de novos brinquedos no parquinho infantil do Lago do Taboão. E isso foi feito. Ótimo.

No entanto, estamos (eu, Moufid, Quique e João Carlos) fazendo um pedido de informações sobre os preços dos equipamentos lá instalados. É função do Legislativo fiscalizar os atos do Executivo. Tão logo tenhamos um levantamento e comparação dos preços, nos manifestaremos oficialmente.

Os usuários do parque reclamam da falta de um banheiro no local.

8 – Montanha do Leite Sol e Usina

          Voltamos a ressaltar a necessidade de o município adquirir, através de permuta (sem necessidade de dispor de verbas públicas), dois locais que seriam importantíssimos para o Turismo e lazer.

Um acesso à Montanha do leite Sol e a pedra principal seria ótimo (poderia se fazer um teleférico ou algo parecido).

Outro local é a Usina da Mãe dos Homens, que está desativada, localizada às margens do Rio Jaguari, trecho belíssimo com corredeiras e pequenas cachoeiras (lá poderia ser implantado um parque).

9Folclore

          O Junior era muito brincalhão, mas às vezes, passava do limite, chegando a ser um “espírito de porco”.

Certa vez, fomos para São Paulo num shopping, assistir ao filme “O Campeão”, história de um boxeador aposentado (John Voigth) que resolve retomar a carreira para sustentar seu filho, um menino de 6 ou 7 anos de idade. O filme era um dramalhão, pois quando ele (o boxer) ganhou a luta, e ia tudo ficar bem… morreu no vestuário logo após. Metade do cinema saiu chorando.

Quando saímos da sessão, estava formada uma enorme fila para a outra apresentação do filme (pessoas que iriam assistir).

Daí, o Junior olha para mim e diz, bem alto:

Puta filme triste… não me conformo do lutador vencer, e morrer logo em seguida… deixando o menino na mão.

Umas três pessoas da fila o chamaram de “palhaço” e ele quase apanhou.