Colunistas

Reunião sobre ciclovias

publicado em 9 de junho de 2018 - Por Marcus Valle

Estivemos (eu e a vereadora Beth Chedid), na segunda-feira, reunidos com o Secretário de Mobilidade, Botelho, para discutir sobre ciclovias, ciclofaixas e bolsões de estacionamentos. Presentes, representantes dos ciclistas, Bia Kawasaki e Beto Gomes.

Na reunião se expos o plano de mobilidade que prevê: ciclovias (18,5 km), ciclofaixas (3 km) e ciclorrotas (14,9 km) nas principais avenidas. O plano depende de verbas federais ou estaduais para implantação.
Esperamos que se torne realidade o mais breve possível. A administração que tornar isso realidade, ficará na história.

2 – Represa

Neste ano, é preocupante o índice das represas do Sistema Cantareira (Jaguari – Jacareí, Cachoeira, Atibainha e Paiva Castro).

Na segunda feira, o índice da Jaguari – Jacareí era de 43,38%, enquanto que na mesma data no ano passado estava com 73,32%.

Apenas 1 mil litros por segundo estão sendo soltos no rio Jaguari, onde coletamos água para Bragança (próximo à ponte do Bairro Curitibanos, e usamos 350 litros por segundo em média). Está na hora de voltar com as campanhas visando poupar água.

3 – Praça Nove de Julho

É fato que na semana passada o Brasil parou, inclusive Bragança, no que se refere a obras públicas e atividades em geral. No entanto, notamos nesta semana (quando as coisas voltaram ao normal) que as obras na Praça Nove de Julho estão paradas (novamente). Fizemos pedido de informações para saber(mos) o que ocorre, e quando está previsto o término dessa obra (que virou verdadeira novela).

4 – Campanhas funcionam

Segundo pesquisas, nas capitais do país, apenas 10,1% dos adultos fumam tabaco (eram 15,7% em 2006, e mais de 30% nos anos 70).

Isso mostra que campanhas publicitárias e de conscientização bem feitas, reduzem consideravelmente o número de fumantes.

5 – Outro exemplo

Outra coisa que a lei pune de forma rigorosíssima, mas que ainda não foi assimilado pela população, é o chamado “índice zero” de álcool para dirigir veículos.

Se um comando da polícia colocar uma fiscalização próxima a um restaurante, casa noturna, bar ou mesmo a uma festa de aniversário, ou casamento, ou a um churrasco entre amigos, certamente deteria e enquadraria mais de 60% dos motoristas que deixam o local (de todas as classes sociais e profissões, inclusive as ligadas aos meios jurídicos, policiais e de funcionalismo públicos). É uma questão cultural, que tem que ser enfrentado com campanhas de prevenção, ao invés de apenas leis exageradamente rigorosas.

6 – Consumo de drogas aumenta

Por outro lado, cresceu muito no país o número de pessoas que se utilizam de drogas ilícitas (maconha, cocaína, crack etc.). Embora haja legislação rigorosa proibindo tais drogas (o crime de tráfico é apenado com no mínimo cinco anos), o consumo de drogas só aumenta. Além disso, mais de 200 mil pessoas (pequenos traficantes e usuários na maioria) estão presas. Os grandes traficantes, infelizmente, não são alcançados pela lei.

7 – Só repressão não funciona

Portanto, é totalmente ineficiente essa política meramente repressiva (policial e judicial) de “combate” às drogas. Ela não atinge seus objetivos. Os pequenos traficantes são substituídos facilmente (um é preso, outro assume o lugar imediatamente). Além do mais, a corrupção grassa tanto na minoritária parte podre da polícia, como em outros setores da sociedade. Muito pouco se fez em termos de prevenção e recuperação nesse país. Só se prioriza a repressão.

8 – Saúde pública

Drogas têm que ser combatidas (repressão também deve existir) como um problema de saúde pública, e não como mera questão policial. No Brasil (e também em Bragança) muito pouco se faz em termos de prevenção, que é muito mais eficiente que a repressão. Tampouco se investe em recuperação. É uma omissão comum de nossas administrações.

9 – Combustíveis

Temos mais de 100 mil veículos registrados no município de Bragança. Estima-se que entre óleo diesel, álcool e gasolina, cerca de 10 milhões de litros de combustível sejam comercializados mensalmente nos postos de Bragança, cerca de 330 mil litros por dia.

10 – Críticas

O vereador João Carlos Carvalho, que faz parte do grupo do prefeito, faz constantes críticas em relação à Saúde, Educação do município e a má conservação de ruas da cidade e estradas da zona rural. Constantemente exibe filmagens sobre esses locais, mostrando falhas da administração.

11 – Folclore

Sempre fui distraído. Quando estou pensando numa coisa, tenho um objetivo, me concentro nele e faço as coisas cotidianas automaticamente. Daí, é comum eu perder ou esquecer chaves, isqueiros, canetas, papéis, carteira etc. Tento me disciplinar, e já reduzi as distrações e perdas.

Mas outro dia, em plena crise dos combustíveis, meu carro quase sem gasolina, resolvi sair de bicicleta para ir numa reunião importante. Eu, focado na reunião, me lembrei de fazer as coisas “uma a uma”, para não esquecer nada em casa.

Comecei a organizar: 1 – “capacete” e separei; 2 – “chave da casa” e coloquei no bolso; 3 – “luvas para a bicicleta” e as vesti; 4 – “celular”; 5 – “carteira”, e coloquei no bolso. Enfim… tudo certo.

Cheguei ao portão, e ao sair para pedalar senti a sensação de estar esquecendo algo. Imediatamente me lembrei e voltei até a casa. Minha mulher perguntou:
– Esqueceu alguma coisa?

Respondei:
– Sim….a bicicleta.