Colunistas

Raposão e o “emburrecimento”

publicado em 25 de março de 2020 - Por João Raposo

Raposão nunca fugiu dos temas polêmicos. Nunca! E só o tempo dirá se estou certo ou errado no que vou comentar hoje, se serei eu o “burro” ou se realmente uma grande parcela da sociedade ficou cega e não consegue mais raciocinar, enfim… só o tempo dirá!

Refiro-me ao que está acontecendo no Brasil e no mundo todo com relação a esse tal coronavírus. De duas, uma: ou estão escondendo algo muito grave de nós, e esse vírus mata muito mais do que essa porcentagem dos afetados que estão divulgando, ou estão usando uma bomba nuclear para matar uma formiga!

Não é possível que o mundo inteiro esteja parando por uma doença que as próprias autoridades divulgam números que indicam que ela tem baixa mortalidade! Enfim: estarão mentindo para nós ou estarão usando um “remédio em dose muito alta e que já se transformou em veneno para todos?”. Eis a questão…

PARA SE PENSAR

Quando uso o termo “emburrecimento” refiro-me às pessoas inteligentes que, nem que seja momentaneamente, passaram a ter comportamentos e decisões não tão inteligentes, ou seja, essas pessoas “emburreceram”.

Raposão vai aqui citar apenas um caso (poderia citar vários) e me corrija se o burro for eu, por favor: nesta semana fui até um condomínio de Bragança e me surpreendi com a ordem que foi dada aos moradores de que a empregada doméstica não poderia adentrar mais ao condomínio a pé, ou seja, quando ela chegasse à portaria do condomínio o morador teria que buscá-la e levá-la até a casa do mesmo para trabalhar. E na saída, a mesma coisa: o morador tem de levar a empregada até a portaria do condomínio, para então ela ir embora. Resumo: a empregada doméstica não pode mais andar a pé pelo condomínio.

Raposão pergunta: para que isso? Seria medo de que ela infecte todo o condomínio? (absurdo!). Note a “escuridão” que tomou a mente dessa ou dessas pessoas que tiveram essa brilhante ideia. Elas estão cegas, com certeza devido o pânico que foi instalado!

Interessante que vi muitos moradores andando pelo condomínio, fazendo “cooper” ou “footing” mesmo! Fica aqui a pergunta: estes não vão infectar todo o condomínio?

Entendem agora o que Raposão quer dizer que parece que a sociedade “emburreceu” com essa loucura e todo esse pânico que foi instalado?

PRECISAVA PARALISAR O MUNDO?

Eis outro assunto polêmico – Raposão, como sempre, não vai fugir da raia: fechar todos dentro da casa e parar o mundo, é mesmo necessário?

Na minha opinião, tenho certeza que não! Óbvio que sou um mero advogado, não sou médico, não sou infectologista, enfim, não sou nada relativo ao assunto, mas procurei quem entende, pesquisei opiniões de especialistas, enfim, cada vez mais estou convicto que o que fizeram, além de exagerado, foi uma alta dose de medidas que vão causar muito mais mal lá na frente, do que bem.

Óbvio que não queríamos que ninguém morresse em decorrência dessa doença que, repito, até agora, pelos dados divulgados, tem baixa mortalidade (e atinge especialmente idosos ou pessoas com doenças pré-existentes, como Raposão, que é diabético), mas parar todo o mundo por isso não é muito estranho?

GRUPO DE RISCO

Raposão fala com muito conforto sobre isso, pois faz parte do grupo de risco e pode morrer com o tal coronavírus (como citei acima, sou diabético “não controlado”, ou seja, minha glicemia geralmente está muita alta), mas acreditem em mim: NÃO VALE A PENA VOCÊS PARAREM O MUNDO POR MINHA CAUSA!!!! NÃO VALE! Quando muito, vocês deveriam continuar trabalhando e deixar os de grupo de risco optar entre correr o risco ou não.

Aaaaaa…alguns dizem que é melhor um “falido do que um falecido”. Ok, ok, mas deixe a pessoa optar! Quem sabe ela não seja nem um falecido e nem um falido, afinal, como disse mais acima, até agora, pelos dados informados, essa doença mata pouco. A Itália mesmo, que tem 60 milhões de habitantes, até agora morreram cerca de 4.000 pessoas. Faz a conta aí (Raposão não é bom de conta), mas 4000 pessoas corresponde menos de 0,01% da população.

Você pode me perguntar: poxa Raposão, você vai fazer conta com vidas? Ué? Mas não é assim que é feito? E pergunto: e as outras vidas que serão incrivelmente afetadas com toda a paralisação do planeta, como ficam? Anote aí (e cobre de mim depois): haverá muito mais mortes oriundas da fome, suicídio, recessão, pobreza, etc., do que de coronavírus!

Mais uma vez: o tempo dirá!

CONTAS

Vamos fazer contas com vidas humanas, e não adianta fazer “mimimi”, porque é assim que é feito desde que a Terra é Terra. Assim, seguindo nessa “conta”, estima-se que a população mundial seja cerca de 8 bilhões de pessoas.

Levando em conta que o vírus vai perdendo sua força quanto mais pessoas ele infectar (anticorpos são produzidos pela própria pessoa), chegamos à conclusão que vai morrer gente tanto quanto ou um pouco mais que morreu com H1N1 e outras epidemias mais. Já da depressão, recessão, pobreza, fome, etc., etc., todos os outros bilhões de pessoas vão ser atingidas e morrerá mais gente disso tudo.

A matemática é fria e cruel, mas é verdadeira e, muitas vezes, a solução está nela!

RESPIRADORES

Ok, ok, o problema é que essa doença, para aqueles que tiverem o agravamento da mesma (e 99,9% nem saberão que teve, afinal será apenas um resfriado ou uma gripe), necessitarão de respiradores mecânicos, pois ela causa uma mucosa no pulmão (uma espécie de pneumonia) que solidifica rapidamente, criando uma enorme dificuldade de respirar.
Aí fica a pergunta: quantos respiradores podemos comprar e instalar e quantos quartos, hospitais, médicos e enfermeiros teríamos, se investirmos pesado nisso?

Enfim, o assunto é polêmico e mais uma vez a minha opinião é a seguinte: se a doença mata especialmente idosos e grupos de risco (entre eles diabéticos, como Raposão é), então eu afirmo, mais uma vez: não parem o mundo por minha causa! Eu não mereço isso…

E se vou estar aqui vivo ou não, só o tempo dirá! O que sei é que o mundo não pode parar! Tô errado?

FINALIZANDO…

…fica aqui um último pedido às autoridades, especialmente da minha Bragança querida: já é bem grande o número de pessoas que estão pedindo alimentos, afinal tudo fechou da noite para o dia (creio que o decreto municipal deveria ter dado uns dias para o comércio fechar) e muitas pessoas foram pegas desprevenidas, sem dinheiro, sem alimentos em casa, enfim…

Já passou da hora de começar a doar cesta básica para tais pessoas. Isso é urgente, pois a fome não espera!

UM BOM “RESTINHO” DE SEMANA…

…a todos (se é que isso seja possível!), lembrando que na quinta-feira que vem tem mais (se Deus assim consentir). Raposão aceita dicas, opiniões, críticas e também elogios (e, desde já, os agradeço), que podem ser feitos via telefone (11) 9-8353-5626 (TIM) (obs: digite o número “9” mais a palavra “TELEJOAO” “no teclado do tel” que dá esse número! Bem fácil de guardar, não!?), pelo Whats App (ZapZap) (11) 9-9903-4555 (VIVO), por cartas para redação do BJD ou pelas redes sociais Facebook (Raposão João Raposo Advogados Associados) e Instagram (joao_raposo João Raposo Advocacia – Raposão).