Colunistas

Raposão e o desemprego

publicado em 19 de setembro de 2019 - Por João Raposo

Vivemos ainda momentos muito difíceis na economia brasileira. Longe daquele nível histórico do governo passado, a economia parece querer se levantar, mas ainda há muitos entraves, muita coisa a ser mudada para que ela realmente deslanche, muito embora o índice de desemprego tenha caído bastante.

Que me perdoem aqueles que não suportam ouvir algo contrário ou algo “politicamente incorreto”, mas falo “por” Raposão: eu não quero ter nunca mais nenhum contratado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)! Nenhum! Só se realmente for muito preciso! Em casa, mesmo, só tenho diaristas (3 no total), já no escritório tenho outra diarista e “parcerias” com colegas de trabalho, e por aí vai. Mas “CLT”, nenhum!

Como advogado é muito triste eu ter de afirmar isso, mas a CLT e a Justiça Trabalhista (não sei se esta última tem culpa disso, afinal ela cumpre a lei, e a lei não é ela que faz, são nossos deputados e senadores) são muito cruéis para o empregador. Já vi um doméstica que trabalhou alguns meses (se não me falha a memória uns 4 meses) receber R$ 35.000,00 de indenização e verbas trabalhistas por ter caído da escada.

Detalhe: ela caiu de uma escada, que “ela mesmo colocou para pegar uma manga”, isso porque ela ficou com vontade de chupar uma manga que tinha no quintal da casa às “23h00” (ou seja, fora do seu período de trabalho) e aí caiu e quebrou a perna. Enfim, não tenho notícias de outra “manga” que tenha custado tão caro em qualquer lugar deste planeta, quiçá do Universo!

É por esta “história da manga” e por outras tantas que muita gente não quer contratar mais ninguém pela CLT, salvo se realmente for “obrigado”, e enquanto o Brasil (leia-se, os cidadãos brasileiros) não enxergarem isso, ou seja, que devemos seguir padrões e regras diferentes das que temos aqui, talvez seguir os moldes dos Estados Unidos ou de muitos países europeus (Inglaterra, por exemplo), onde há “contratos” entre empregador-empregado, creio que o desemprego continuará a crescer no Brasil, pois quem demite 10 funcionários, dificilmente contrata outros 10 (salvo, como “disse” antes, seja “obrigado”, ou seja, tenha um negócio que está com falta de mão de obra, etc, e para isso a economia tem de estar “bombando”).

Decididamente, a CLT é complicada…

EMPRESAS FECHADAS

Falando em desemprego, infelizmente nossa cidade já há décadas que não é ponto de referência para bons empregos e bons salários. Bragança é bem ruim nesse quesito, não sei se fruto do que citei no tópico anterior, mas, enfim, esta é a realidade da nossa cidade a bastante tempo. Pois bem, nestes últimos dias Raposão viu, com muita preocupação, algumas empresas serem fechadas, como colégio, etc, mas, refiro-me especialmente a um bar próximo ao Colégio São Luiz (colégio este que está sendo reformado, desta vez a “toque de caixa” – graças à Deus!) e outro bar situado ali no Lago do Taboão, talvez dois dos bares mais consagrados desta cidade.

Até entendo que os órgãos responsáveis tenham seus motivos, mas a pergunta que fica é a seguinte: será que não dava para “dar um tempo” para que tais empresas adequassem o que está errado ou solucionasse o problema da falta de alguma documentação, antes de efetivamente determinar o fechamento das mesmas? Enfim, o desemprego está grande e fechando as empresas que estão abertas, aí é que a coisa vai afundar de vez aqui em Bragança!
Enfim, fica apenas essa pergunta acima …e com a palavra os órgãos responsáveis!

REFIS

Graças à Deus e ao “bom Jesus” o Programa de Recuperação Fiscal (REFIS) de 2019 vai ser aberto, talvez já na semana que vem.

Esta é uma grande oportunidade para quem está em haver com os cofres da municipalidade (como é o caso de Raposão), por em ordem tais contas, pois os descontos de multas e juros são muito, mas muuuuuito atraentes!
Caso você esteja na mesma situação de Raposão, não deixe de aproveitar esta chance. Raposão desde já agradece, primeiramente à Deus, e depois ao “bom Jesus”, por essa medida que muito ajuda à todos os contribuintes de Bragança. Aproveitem!

NA BOCA DA BOTIJA

Como dizia o inesquecível narrador Osmar Santos: “Na boca da botija”. É assim que muitos empreendimentos e muitos empreendedores estão aguardando a publicação oficial do Plano Diretor e com isso realizar muitas construções pela cidade. Realmente se isso se comprovar, Bragança viverá uma onda de emprego, de muita prosperidade e movimentação no setor da construção civil. Quem viver, verá!

FRASES CURIOSAS

Raposão, quando esteve nos Estados Unidos, gostava de conhecer igrejas. Lembro que em Nova Iorque, onde tem igrejas belíssimas e muito bem localizadas (ali na famosa, badalada e cara “5ª Avenida”, tem uma belíssima, que não recordo o nome) e sempre chamou muita atenção do Raposão às frases que quase todas elas ostentam já na entrada, na porta principal (isso é muito comum nas igrejas de lá, eles acham que atraem fiéis com tais frases), algumas, sem querer, acabam tendo “duplo sentido”.

Enfim, são frases que nos levam, por vezes, aos risos. Aqui vão três que anotei:

– “Você sabe o que é o inferno? Venha ouvir nosso pastor!”.

– “Amanhã grande jantar com linguiças em Sant Louis1 Venha e coma o Pastor Thomas Ressler!”.

– “O melhor presente dado por uma mãe é o tempo que ela passou de joelhos”.

Enfim, mensagens “paroquiais” sempre “são um perigo”! Um dia ainda vou escrever sobre isso. Quem as escreve? Como as escreve?

Aguardem!

UM BOM RESTINHO DE SEMANA…

…à todos e na quinta-feira que vem tem mais (se Deus assim consentir), lembrando que Raposão aceita dicas, opiniões, críticas e, é lógico, elogios (desde já, os agradeço), que podem ser feitos via e-mail, telefone (ver ambos abaixo), “sinais de fumaça” ou cartas para redação do BJD, situada à Av. Antônio Pires Pimentel nº 957, Centro, Bragança Paulista, CEP 12914-000. Acompanhem também Raposão na Internet, pelos sites www.bjd.com.br e no Facebook (Raposão João Raposo Advogados Associados) ou no Instagram (joao_raposo João Raposo Advocacia – Raposão).