Colunistas

Queimadas em todo Brasil – época de seca

publicado em 19 de setembro de 2020 - Por Marcus Valle

Fogo em todo lugar. Incêndios em parques, matas e até na zona urbana. O tempo seco ajuda a causar os incêndios, mas a maior parte é criminosa. É muito triste ver notícias do Pantanal, da Amazônia e vários outros locais sobre essas ocorrências.

O ideal seria termos uma fiscalização mais adequada, com recursos humanos e materiais.

2 – Fogo: Bragança

Em Bragança, infelizmente, temos tido muitos incêndios.

Nas últimas semanas tivemos incêndios em vários locais da zona rural e urbana. No final de semana passado foi “a vez” do Bairro da Serrinha, onde 30 hectares foram atingidos (não foi pior porque todos, inclusive moradores e bombeiros, trabalharam bastante).

3 – Fogo: nossos parques

Estamos temendo que nos três parques que temos dentro da área urbana (Araucárias, com 60 hectares; dos Padres, na Norte – Sul, com 4 hectares; e Recanto dos Pássaros, no Jardim América, com 1 hectare) tenhamos fogo. A Prefeitura deve fazer uma ação preventiva e de fiscalização para evitar crimes e acidentes.

Esses locais devem ser monitorados e até vigiados.

4 – Fogo: causas

Segundo reportagem da revista “Superinteressante”, os incêndios florestais ocorrem por três fatores:

1 – clima quente e seco com baixa umidade do ar;
2 – provocado (ateado dolosamente; acidental, como bituca de cigarro; e natural, como raios);
3 – ‘combustíveis’ que alimentam as chamas (vento, folhagem seca, madeira etc.).
5 – Fogo: punição penal, civil e administrativa

A lei 9.605/98 prevê pena de 2 a 4 anos e multa para o quem provocar incêndio em matas e florestas.
Se for sem intenção, mas por culpa (negligência, imprudência ou imperícia) a pena vai de 6 meses a 2 anos. No Civil, há obrigação de reparar os danos (lei 6.938/81, art. 14, §1º), seja reflorestando ou indenizando. Na parte administrativa há multas.

6 – Terreno da Austin

O governo de SP está colocando à venda a área de terreno da antiga “Austin”, que pertence ao estado. Esse terreno poderia ser utilizado pelo município para destinações bem úteis. Diversas vezes prometeram ceder a área ao município. E agora o Estado comunicou que irá vender. A Prefeitura e nossa comunidade têm que reagir, tentar reverter essa decisão do governo estadual.

7 – Terreno da Austin II

Muita gente diz que o terreno da Austin está sempre abandonado e que seria melhor deixar que ele fosse vendido para ser ocupado.

No entanto, é bom explicar que o município não poderia investir na área do estado. Se estava sem uso, a culpa era do estado. Se a Prefeitura receber a área, é diferente.

8 – Ônibus

Continua a pandemia, e continua a confusão nos ônibus circulares. Quando trafegam sem passageiros aglomerados, o que ocorre na maioria das vezes, deixam os usuários nos pontos. É preciso fiscalizar.

9 – Perdão religioso

Neste momento de pandemia, é um absurdo perdoar um bilhão de dívidas de entidades religiosas. Inaceitável.

10 – Poupatempo

Devido à pandemia, o Poupatempo está com muito serviço represado e, em função disso, tem agendamentos atrasados.

11 – Radares

Radares estão em funcionamento em Bragança. É necessário saber se tem o estudo técnico que a lei exige. Do contrário, seria ilegal, e uma verdadeira fábrica de multas.

12 – Folclore: a cadeira

Eu e o Sérgio Helena trabalhávamos no mesmo escritório de advocacia. Certa vez, um amigo, senhor Cristovam, quis fazer uma consulta, mas o assunto era mais do conhecimento do Sérgio, e eu pedi para que ele participasse. Ao final, o Cristovam quis pagar, mas eu disse: – Não é nada… imagina!

Cristovam disse: – Como você já sabe, eu faço cadeiras de balanço e vou trazer uma de presente.

Agradeci, e falei: – Como comprei de você recentemente e já tenho, vou dar pro Sérgio, que fez a consulta. Sérgio foi avisado que ganharia a cadeira.

Dias depois, Cristovam trouxe a cadeira. Era muito mais bonita e reforçada em relação à que eu tinha comprado. Daí, tive uma brilhante ideia. Levei a cadeira nova para casa e trouxe a outra (usada) e dei pro colega.

Dias depois na minha casa, o Sérgio viu a cadeira na varanda e brincou:
– É… o Cristovam trouxe uma cadeira usada pra mim, e aqui tem uma novinha.