Colunistas

Quando mais é menos

publicado em 19 de janeiro de 2019 - Por 2

Acabo de passar numa rua de cidade litorânea com lojas de ambos os lados, com muitas placas com informações dos diversos estabelecimentos, muitos produtos sobre a calçada e as mais variadas promoções. Excesso de informações confusas. Difícil dirigir e, ao mesmo tempo, encontrar aquilo que se procura.

Acho que foi em 2.008 que na capital paulista entrou em vigor a lei da cidade limpa. Muitas placas foram retiradas da noite para o dia. Foi assustador: fachadas pretas de fumaça de anos, fiação exposta, lojas anônimas. Logo surgiram as novas placas, com medidas limitadas por lei, acabou a sobreposição, foi surgindo uma nova harmonia contendo apenas as informações necessárias. Abriu-se espaço para comunicação adequada, precisa e fluente.

Durante anos, na USF, coordenei a produção de cartazes relativos à programação artística, esportiva, cultural, de pastoral e de extensão universitária. Era uma boa briga, alguns pensavam que um cartaz devia incluir todas as informações. Ficava cheio de textos com letras miúdas, pouco chamativos. Outros pensavam que cartazes ou folhetos  devem ter forte apelo visual, contendo apenas informações essenciais, para despertar a atenção. Os interessados na sequência procuram mais detalhes.

Isso vale para um artigo de jornal, para uma redação escolar, telefonema ou placa, para um email ou outro tipo de mensagem eletrônica. A chave encontra-se na determinação daquilo que o interlocutor precisa saber. Isso ele está disposto a acolher. Quando as informações são muitas, a maioria desnecessária, eĺe tende a se desligar. Não poucos vendedores perdem boas vendas por falarem demais.

Acaba de ser colocada uma placa de trânsito na recém-reformada Praça Nove de Julho. Ela é necessária, visto que houve mudança no percurso e essa via é percorrida diariamente por muitos transeuntes que não são de Bragança. No entanto, o esforço de fornecer informações contém nesse caso dois equívocos. O primeiro deles é a localização da mensagem. Está no meio da curva, o que pode levar alguns motoristas a reduzir repentinamente a velocidade na frente de outros veículos para entender a informação. O segundo deles é a grande quantidade de informações em marrom, relativas aos estabelecimentos comerciais da praça. São muitas, impossíveis de serem lidas dentro de um veículo em movimento. Mais grave ainda, a placa e suas muitas informações estão localizadas depois do acesso aos pontos comerciais informados. É uma informação tardia, sem possibilidade de retroagir. Antes da curva, em tempo de pegar a faixa da direita, tal placa alcançaria seu objetivo de informar.

A resposta a sete perguntas é essencial para uma mensagem completa: O que? Por que? Quando? Onde? Quem? Quanto? E como? Textos que respondem bem a essas perguntas têm boas chances de sucesso. Em alguns momentos, quem é mais importante do que o quê? Outras mensagens requerem que o porquê seja bem explicitado. Num processo de vendas o quanto é fundamental, para alguns clientes é a única informação que realmente interessa. Quando se trata de facilitar uma localização, é fundamental explicitar bem o onde. Eventos requerem que informações relativas ao local e ao horário sejam bem objetivas.

Isso também se aplica a emails, whattsapp e telefonema. É comum encontrarmos mensagens precárias e confusas, inclusive quando são importantes. Esses meios requerem concisão e agilidade no envio e nas respostas. Por isso, um erro na grafia, uma confusão na mensagem ou algum lapso podem criar confusão e gerar prejuízo. Requerem cuidado do mensageiro e atenção de quem recebe a mensagem. O mesmo se aplica à caligrafia. Em tempos de computador, fico nervoso quando não consigo decifrar receita de remédio. Ao observar o esforço de um farmacêutico para decifrar a prescrição médica, aumenta a insegurança.

A comunicação é fundamental em todos os tipos de relacionamento humano. Empresas de todos os tamanhos investem sempre em aprimoramento da comunicação. Raramente encontramos uma revisão de empresa, escola, igreja ou órgão público em que não apareça a necessidade de evitar ruídos e de melhorar processos de comunicação. Individualmente, quem se comunica bem encontra facilidades em diversos aspectos da sua vida, tem mais chance de ser percebido e alcançar patamares mais altos. A comunicação é uma habilidade que pode ser treinada, desenvolvida e melhorada, sempre.