Colunistas

Proteção aos oceanos, qual é a realidade?

publicado em 30 de junho de 2020 - Por Ambiente em Pauta

Sempre ouvimos falar em proteção e preservação da natureza: das nascentes, dos rios, da Mata Atlântica, dos animais, mas dos oceanos pouco se fala, pouco sabemos.

Qual a importância dos oceanos? Qual a verdadeira situação deles?  Existe uma preocupação com a vida aquática marinha? Quais os impactos nos oceanos com as mudanças climáticas? Nunca foi tão importante entender a natureza para podermos colaborar e ajudar na sua proteção.

Os oceanos têm importância ecológica, econômica, política e  social cultural . Grande parte das maiores cidades do planeta se localiza em área costeira, diretamente ligada aos oceanos.

Vamos começar pela importância dos oceanos: Eles produzem a maior parte de oxigênio que respiramos e  absorvem 25%  das emissões anuais do CO2 gerados pelo homem. O CO2  do planeta é retido em plânctons (minúsculos organismos  que servem de alimento à vida marinha), em manguezais, em  pântanos salgados e ecossistemas de vida marinha.

Do ponto de vista social, os oceanos são importantes nas questões militares e para exportação e importação de países que não têm área costeira e dependem de portos de países vizinhos.

Tão importante quanto  preservar as florestas é preservar os oceanos. No Brasil, 4% das áreas marinhas são preservadas, faltam políticas públicas efetivas.

Destacamos como atividades econômicas:  a pesca, criação de ostras e outros animais marinhos, produção de sal, pré-sal,  transporte de cargas e produtos, extração de minérios como : ouro, diamante, pedras preciosas, areia, calcário e outros.

Temos também a  exploração de gás e petróleo e o turismo marítimo , transporte de pessoas. No Brasil, na costa da Amazônia entre a foz do rio Amazonas e a Guiana, existem corais em águas profundas que foram descobertos em 2016,  que hoje estão   ameaçados pela exploração do petróleo.

Não somente os corais, mas golfinhos, tubarões, peixes, manguezais, baleias, algas, toda a vida marinha. Os corais acabam morrendo pela acidificação  e branqueamento que é causado pelo aquecimento do oceano e diminuição de organismos que os alimentam.

O monitoramento dos oceanos é  importante para observar as variações da vida marinha, as emissões de CO2, os  impactos das mudanças climáticas, o degelo das geleiras, o aquecimento dos oceanos,  o aumento do lixo plástico, a pesca predatória e as explorações inadequadas dos minerais e do petróleo. A vida marinha diminui ano a ano; dizem alguns pesquisadores que daqui alguns anos haverá mais plástico nos mares do que peixes.

Contribuição de Bia Maia, integrante do Coletivo Socioambiental e Associação Bragança Mais – biamaia238@gmail.com

Conversas no Facebook