Colunistas

PM: “Mediação Comunitária”

publicado em 8 de setembro de 2018 - Por Marcus Valle

São muito comuns os conflitos entre vizinhos (24% das ocorrências registradas em São Paulo pela PM), que além de afetar profundamente a tranquilidade e qualidade de vida, muitas vezes pode levar a conflitos judiciais, físicos e até desgraças. Som alto, animais, questões sobre muros, divisas, sujeira etc. são os detonadores dos conflitos.

Mas a Polícia Militar, com o apoio do TJ, criou um programa chamado “Mediação Comunitária – por São Paulo”, que já funciona com sucesso em vários municípios (Araçatuba, Penápolis etc.). Policiais militares capacitados para isso, chamam rapidamente as partes para um acordo (há sucesso em 2/3 dos casos – homologação judicial).

Estamos solicitando (encaminhamos um Requerimento à PM) que esse programa seja implantado também em nosso município. Atualmente temos o NECRIM – polícia civil – que funciona muito bem, mas, embora englobe casos de vizinhança, não é especifico, atende casos de crimes de menor potencial ofensivo (com grande sucesso nas conciliações).

2 – Trânsito

Trânsito de Bragança ficou terrível com as modificações. Engarrafamentos na Av. José Gomes da Rocha Leal, no Taboão, na Av. dos Imigrantes e artérias próximas.

Tivemos dois atropelamentos de pedestres (um em frente à Câmara Municipal e outro, inusitado, na Praça Central) e a morte de um motociclista na Av. Lindoia.

3 –Problemas DER e perigo nas estradas

Não bastassem os problemas na área urbana, temos constantes acidentes fatais nas estradas da região (Socorro, Itatiba, Amparo, Piracaia, Guaripocaba etc.).

DER só coloca radar para arrecadar. Na entrada do Bairro Vista Alegre (na estrada Bragança – Tuiuti) se negam a colocar lombadas e os riscos são enormes (os moradores já fizeram abaixo assinado, solicitando providências). Outro problema é no cruzamento da Rua Rinzo Aoki com a Alameda Quinze de Dezembro, que infelizmente é uma crônica de morte anunciada (já pedimos providências diversas vezes).

4 – Museu

“Depois que o ladrão entra, coloca-se tranca na porta”. Essa é a mentalidade brasileira.

Exemplos: morreram quase 300 pessoas na boate Kiss e só depois passaram a vistoriar as casas noturnas; explode um deposito de gás e passam a fiscalizar o setor; morre pessoas no elevador com defeito e passam a vistoriar os equipamentos; etc.

A última tragédia do Brasil foi o incêndio no Museu Nacional do Rio de Janeiro. Aproveitando o ensejo e a mentalidade, pedimos mais uma vez às autoridades de Bragança que tomem providências no nosso Museu municipal, que está em péssimas condições, e que vários vereadores já pediram solução.

5 – Crescendo

O candidato Amoedo está crescendo. Percebe-se esse fato, pois ele está sendo atacado pelos dois lados. Os extremistas de direita chegaram ao ridículo de classificá-lo num vídeo da internet, como candidato de esquerda.

6 – Atacada pelos dois lados

Também se multiplicam os ataques da direita e da esquerda à candidata Marina Silva. Como há pouco a falar dela, dizem que ela é frágil, feia, tem cabelo brega e a voz horrível.

Enfim… “argumentos” absurdamente preconceituosos e próprios de gente que tem perfil autoritário e pouca cultura, ou cultura tosca.

7 – 13 candidatos

Um fato é obvio. Quando alguém está sendo atacado, é porque está forte, ameaça eleitoralmente aos outros. Ninguém se preocupa com Eymael, aquele Cabo engraçado, ou o João Goulart Filho. Até mesmo o Meirelles (candidato do MDB), que seria relevante devido seu currículo e cargos que exerceu, está sendo omitido.

Álvaro Dias também é pouco citado, embora teoricamente seja um candidato respeitável. Boulos, embora odiado pela direita por suas posições de extrema esquerda, também é quase ignorado. Bolsonaro, Ciro, Marina, Alckmin e Haddad, e correndo por fora Amoedo e Álvaro Dias, disputam duas vagas para o segundo turno.

8 – Sabesp

Contrato com a Sabesp está com prazo vencido e emperrado há 9 anos. Desde então, o assunto “vem e volta” sem que haja qualquer renovação do contrato. Na administração passada, o município chegou a receber uma proposta de renovação, com compensação financeira, mas não se tornou realidade, pois o projeto não seria aprovado, já que os vereadores da então oposição (do Grupo Chedid) diziam que poderia haver uma melhor proposta futura.

Nesta administração, evidentemente, o prefeito não poderia aceitar proposta igual ou pior da que tinha sido feita no governo anterior e embora tenha se reunido várias vezes com representantes da Sabesp, não conseguiu melhor oferta. Montou-se um consórcio (com grande alarde) para tentar, com os municípios vizinhos, pressionar a Sabesp, ou atrair concorrentes em melhores condições. Até agora nada aconteceu. Quase metade do mandato e tudo continua como antes.

9 – Montanha do Leite Sol e Usina

Por diversas vezes pedi para a administração municipal estudar a possibilidade de incorporar ao patrimônio público, duas áreas que têm belezas naturais e poderiam ser transformadas em locais turísticos: a “Montanha do Leite Sol” e a “Usina da Mãe dos Homens”.

Na pedra do Leite Sol poderia haver um teleférico ou algo parecido, e na Usina (onde há corredeiras e cachoeiras do rio Jaguari) poderia ser transformada em um parque natural e cultural. Não é necessário desapropriar ou comprar as áreas (que, aliás, não têm grande valor econômico), mas sim estudar uma permuta, ou obtê-la em comodato perante os proprietários. Mas… até agora… nada de concreto foi feito.

10 – Folclore: “Tá certo”

Nos anos 80, o D. Junior já namorava há tempos uma garota, que o pressionou a casar. Inseguro e em dúvida, começou a se aconselhar com os amigos (casados e solteiros).

Falou com o Rui, que por mais de meia hora ponderou sobre as vantagens do casamento e seus eventuais problemas. Conversou com o Marcos por uma hora, que falou sobre as vantagens da liberdade e dos problemas que se tem com filhos e mulher. Conversou longamente com outros.

Daí encontrou-se com o Zé Wilson, que em menos de cinco segundos, opinou:
– Ah… só tem um jeito de saber… case pra ver o que dá!