Colunistas

Período curto de atividade intensa

publicado em 30 de novembro de 2019 - Por Antônio Carlos de Almeida

Narradores da corrida São Silvestre, realizada no último dia do ano em São Paulo, costumam criar expectativa quanto a um sprint espetacular de algum corredor na subida da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio ou na reta de chegada, já na Avenida Paulista.

Trata-se de uma aceleração intensa do ritmo, realizando durante alguns minutos ou segundos uma velocidade superior à registrada até aquele momento, o que surpreende outros concorrentes, que não reservaram energia semelhante para momento tão decisivo. Essa mesma tática é utilizada em vários tipos de disputas ligadas ao atletismo, natação e outras competições.

Estamos chegando ao final de mais um ano. A partir da observação da quantidade de enfeites luminosos de natal nas residências, nas casas comerciais e em locais públicos, temos a impressão de que há uma animação maior neste final de ano diante dos festejos da virada de ano.

São transcorridos onze meses, resta-nos apenas um mês de 2.019. Imagino dentre nós três grupos diferentes de pessoas: o grupo daqueles que estão satisfeitos com aquilo que realizaram e conquistaram durante o ano; o grupo daqueles que ainda sentem a possibilidade de realizar algo mais; e, ainda, o grupo daqueles que já desanimaram diante das dificuldades de conseguir algo significativo dentro do ano que velozmente se encerra.

Em comum, os três grupos têm a tendência de agora deixar tudo para o próximo ano, quando ainda há de tempo de aperfeiçoar, intensificar ou criar bases sólidas para um novo tempo. A exemplo de atletas, realizar um sprint: desenvolver atividade intensa durante o pouco tempo que nos resta, na busca de resultados melhores.

Essa atividade intensa pode variar de pessoa a pessoa: estudar ainda um pouco mais, finalizar atividades pendentes, buscar trabalho, aproximar-se de parentes ou amigos, buscar algum atendimento médico, odontológico ou psicológico, intensificar espiritualidade, concentrar-se no avanço de algum projeto pessoal, familiar ou profissional, etc.

Evidentemente, aqueles que conseguiram realizações expressivas ao longo de 2.019 têm mais facilidade de avanços. Sempre é possível fazer algo mais e melhor. Em competições, aquele que está na frente não pode descuidar ou diminuir muito o ritmo, sob pena de ser superado por algum concorrente. É sempre muito desagradável perder uma corrida já na linha de chegada ou uma prova de natação na última braçada.

Manter o esforço e aumentar o ritmo, não obstante o pouco tempo restante, pode fazer grande diferença na vida daqueles que ainda não realizaram tudo o que planejaram para este ano. Talvez seja o maior dos três grupos. As realizações e as conquistas dependem do esforço pessoal, mas dependem também de outros recursos. Dentre estes, o tempo faz enorme diferença.

É um recurso raro, que desaparece muito rapidamente. Horas e dias bem aproveitados permitem-nos avanços importantes. Um mês como este nosso dezembro pode salvar uma colheita inteira. Pode valer muito a pena um esforço final, intenso, bem focado.

Em função de doença, desemprego, falta de oportunidades e outros motivos, não poucos de nós vê a chegada do final do ano sem conseguir realizar desejos ou mesmo saciar necessidades pessoais, familiares ou profissionais. Não é tempo de esmorecer. A virada de ano é sempre um tempo de renovação.

Tem se a impressão de nadar contra a correnteza, mas uma forma efetiva de mudar as coisas é continuar buscando alternativas, inclusive neste mês final do ano. É tempo de montar novos planos para 2.020. Assim será possível sair na frente. A exemplo do Sprint, essa é outra tática muito utilizada pelos atletas. É possível surpreender no fim, no meio ou no início do ano. Surpreenda a si próprio e aos seus, neste dezembro, em 2.020 e sempre.