Colunistas

Montanha do Leitesol

publicado em 16 de maio de 2020 - Por Marcus Valle

Por diversas vezes pedi para a Prefeitura adquirir (por permuta, ou doação), sem necessidade de dispender valores, uma faixa de terreno que leve à Pedra do Leitesol.

É um local interessantíssimo para turismo, caminhadas e lazer (ao lado do shopping). Lá, poderia ser implantado um teleférico (a pedra está a 1200 metros de altitude).

2 – Usina da Mãe dos Homens

Outro local que pode ser adquirido (via permuta, ou doação) é a antiga Usina Elétrica no Bairro Mãe dos Homens, que pertence à ENERGISA. O local é belíssimo, margeia o rio Jaguari num trecho cheio de corredeiras e pequenas cachoeiras. A Usina está abandonada e sendo depredada.

 3 – Acesso à represa

A população bragantina não tem acesso á represa Jaguari – Jacareí. Embora apenas 5% dela fique no território de Bragança, no começo do Bairro da Serrinha, a população a frequentava. Mas por falta de um mínimo de estrutura (segurança, banheiro, recipientes de lixo etc.) tínhamos poluição e várias mortes por afogamento lá. O local foi fechado com cerca. Poderia se tentar transformar a área (da Sabesp) num parque.

 4 – Locais turísticos, históricos

Na administração passada foram criados os parques das Araucárias, dos Padres (na Norte – Sul) e dos Pássaros (no Jardim América). Isso foi marcante, em termos de meio ambiente.Na atual administração, a reforma do prédio do antigo Colégio São Luiz é marcante e histórica. Mas, poderia ser mais, caso se resolva a questão da Montanha do Leitesol, antiga Usina da Mãe dos Homens, acesso à represa e gruta natural na Fazenda São Bento, no Guaripocaba, que tem um sítio arqueológico com gravuras rupestres de 10 mil anos.

 5 – Ciclovia

Fui ver a ciclovia que a Prefeitura está fazendo na Avenida dos Imigrantes. Antes, eu e o vereador Quique denunciamos que tinham marcado um espaço de 50 cm, e era um enorme perigo. Agora, nivelaram a parte onde a água escorria (sarjeta) e aumentaram um pouco a demarcação, tem aproximadamente um metro e dez centímetros de largura. Os bueiros foram cobertos com grades para não ter desníveis.

6 – Lago do Orfeu – novela

Nesta semana, por falta de diálogo, outro estresse entre os moradores do Jardim Europa. Uma equipe da Prefeitura foi ao local para soltar a água do lago do Orfeu e todo mundo ficou assustado.

Eu e o vereador Basílio fomos ao local e nos disseram que iam tirar pouca água, não haveria mortandade de peixes. Por várias vezes pedimos uma reunião com os moradores e o Secretário de Obras, para esclarecer os moradores.
Na tarde de quinta-feira, 14, às 17h00, a Prefeitura promoveu uma reunião entre o prefeito, os secretários de Meio Ambiente, Mobilidade e Obras, com os vereadores Basílio, Quique e eu e mais quatro representantes do bairro. Foi exposto o projeto e ficaram de promover novas reuniões.

7 – Pandemia

1 – Chegamos perto de 15 mil mortos e nada de uma linguagem só entre as autoridades (presidente e governadores). Cada um “fala uma coisa”, não entram num acordo. Com isso, o povo fica inseguro e perplexo, e as mortes aumentando.

2 – Precisamos cuidar da ”saúde mental” da população nesta época. Deveriam aumentar as consultas de psicólogos e psiquiatras. Medo do futuro, falta de contatos e quebra de rotinas, agravam quadros depressivos e de ansiedade, e podem servir de gatilho para patologias mentais.

3 – Deverá haver grande fiscalização nos gastos das Prefeituras, e governos estadual e federal. Com a pandemia, o Ministério Público está oficiando todos.

8 –Folclore: coisas que vi

Na minha carreira de advogado criminal vi coisas surpreendentes, como uma sociedade entre dois estelionatários (nós apostávamos que ia ser um duelo de Titãs), mas no final, quem perdeu foi a pobre namorada de um deles, que emprestou o cheque para ele “só mostrar”, “tapear” o parceiro que pretendia enganá-lo. O outro trocou o cheque com um agiota, e sobrou pra ela pagar.

Noutra vez, um policial (não era de Bragança), era tão corrupto que vendeu um atestado de pobreza.